Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CAARAPÓ

Em ação, MPF solicita regulamentação para aplicação terrestre de agrotóxicos

Órgão pede que sejam estabelecida distância entre propriedades para aspersão
04/12/2019 15:28 - GLAUCEA VACCARI


Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública solicitando à Justiça Federal que determine ao Estado de Mato Grosso do Sul, a União e a Prefeitura de Caarapó sejam estabelecidos parâmetros objetivos, com fixação de uma distância mínima entre propriedades limítrofes para a aplicação terrestre de agrotóxicos no município, que estariam sendo aspergidos nos arredores de moradias da comunidade indígena Guyraroká.

Conforme o MPF, única regulamentação federal sobre distância mínima entre áreas limítrofes para aspersão de agrotóxicos trata das normas de trabalho da aviação agrícola e aplicação aérea de fertilizantes, ou seja, não engloba os equipamentos de aplicação terrestre mecanicamente tracionados.

Ministério Público alega que a ausência de uma norma que limite a distância mínima entre as áreas lindeiras acaba por permitir o uso imoderado de agrotóxicos, que são distribuídos pela ação dos ventos sobre outras plantações, águas e habitações, o que configura, segundo o órgão, risco ao meio ambiente e à saúde.

Desta forma, o órgão pede que a Justiça Federal determine que União, Estado e Município estabeleçam uma norma para regulamentar a distância mínima entre áreas adjacentes para a aspersão terrestre de agrotóxicos e proíba os responsáveis pela fazenda vizinha à comunidade indígena Guyraroká, localizada em Caarapó e cercada por propriedades rurais, de lançar agrotóxicos a uma distância inferior de 250 metros da comunidade.

Além disso, requer na ação que os responsáveis pela fazenda sejam obrigados a apresentar um protocolo de comunicação e prestação de informações acerca das futuras operações de pulverização na área, contemplando a participação dos moradores da comunidade indígena.

Felpuda


Considerados “traíras” por terem abandonado o barco diante dos indícios da chegada da borrasca à antiga liderança, alguns pré-candidatos terão de se esforçar para escapar da, digamos assim, vingança, velha conhecida da dita figurinha. Dizem por aí que há promessas nesse sentido, para que os resultados dos “vira-casacas” nas urnas sejam pífios. Sabe aquela velha máxima: “Pisa. Mas, quando eu levantar, corre!” Pois é...