Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SERIAL KILLER DO DANÚBIO AZUL

Absolvido de homicídio, Nando é condenado por ocultação de cadáver

Oitavo julgamento do acusado foi realizado hoje

17 MAI 19 - 18h:43FÁBIO ORUÊ

Em mais um julgamento, Luiz Alves Martins Filho, o Nando, que ficou conhecido como o serial killer do bairro Danúbio Azul, foi absolvido da acusação de homícidio de Daniel Gomes de Souza Carvalho, de 17 anos, e condenado a 1 ano e 11 meses de prisão, no regime semiaberto, por ocultação de cadáver no crime ocorrido em dezembro de 2012. O oitavo julgamento do acusado foi realizado hoje (17) na 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Conforme informações do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, no dia 20 de dezembro de 2012, na rua dos Astronautas, Jardim Veraneio, no entorno do lixão, os réus, Nando e Claudinei Augusto Ornelas, engravataram, amarraram e estrangularam Daniel com uma correia de máquina de lavar.

A motivação do crime teria sido por insatisfação de Nando com as condutas ilícitas praticadas pela vítima. Segundo os acusados, ele estava cometendo furtos na região, inclusive tendo furtado garrafas de Luiz Alves.

De acordo com a denúncia, Claudinei ajudou a dissimular, fazendo com que a vítima acreditasse que iriam se encontrar com garotas para ter relações sexuais, mediante promessa de recompensa de R$100. Nando foi quem asfixiou a vítima e escondeu o corpo. 

CONDENAÇÕES

O primeiro julgamento aconteceu no dia 29 de junho de 2018, pela morte da vítima conhecida como "Café" ou "Neguinho". Neste caso, o acusado foi condenado a 18 anos e três meses de prisão e o processo está em grau de recurso.

No dia 22 de novembro do ano passado, ele foi novamente condenado, a 18 anos e 4 meses de reclusão pelo assassinato de Lessandro Valdonado de Souza. Processo também está em grau de recurso.  

Neste ano, Nando foi submetido ao terceiro julgamento no dia 8 de fevereiro, pela morte de Ana Cláudia Marques, sendo absolvido do crime de homicídio e condenado apenas por ocultação de cadáver, em 2 anos anos de prisão.

Dias depois, em 20 de fevereiro, ele foi condenado a 18 anos e três meses de prisão pelo homicídio de Jenifer Luana Lopes.

O quinto julgamento ocorreu no dia 10 de abril e terminou com o acusado condenado a 16 anos e três meses de prisão pela morte de Flávio Soares da Costa.

Já o sexto júri ocorreu no dia 26 de abril e ele foi condenado a 14 anos e 3 meses de prisão pelo homicídio de Bruno Santos Silva, 18 anos.

No sétimo júri, no dia 10 de maio, o acusado foi absolvido da acusação de assassinato de Ariel Fernando Garcia Lima Teixeira, ocorrido em fevereiro de 2014.

Ainda devem ser agendados os julgamentos pelas mortes das vítimas Alex da Silva dos Santos, Jhenifer Lima da Silva, Aparecida Adriana da Costa, Aline Farias da Silva, "Alemão" e Eduardo Dias Lima.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ato em apoio ao governo de Bolsonaro reúne milhares de pessoas na Capital
MANIFESTAÇÃO

Ato em apoio ao governo reúne 4 mil pessoas na Capital

Trio ateia fogo em casa e agride vítima em aldeia
DOURADOS

Trio ateia fogo em casa e agride vítima em aldeia

Polícia apreende R$1,6 milhão<br> em cigarros contrabandeados
INTERIOR

Polícia apreende R$1,6 milhão em cigarros contrabandeados

Guarda "suplica" transferência do Garras para presídio estadual
ARSENAL

Guarda "suplica" transferência
do Garras para presídio estadual

Mais Lidas