Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

JUCEMS

Abertura de empresas registra <br>melhor resultado em cinco anos

Foram 490 novos empreendimentos abertos em janeiro
13/02/2019 15:30 - FÁBIO ORUÊ


Junta Comercial de Mato Grosso do Sul (Jucems) registrou a abertura de 490  empresas no mês de janeiro em Mato Grosso do Sul. Este é o melhor resultado dos últimos cinco anos para um começo de ano no Estado.

Conforme divulgado pelo Governo do Estado, em janeiro de 2015 foram 446 aberturas de empresas e 2016 marcou o menor número dos últimos anos, com 332. Em 2017 o total foi de 427 e no ano passado 445 novos empreendimentos.

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, aponta como fatores, que influenciam a decisão dos empreendedores, as mudanças no cenário político nacional e os indicadores da economia estadual.

“Há uma relação direta entre a confiança do empreendedor e o aumento do número de abertura de empresas. Temos acompanhado mês a mês esse comportamento, não só na quantidade quanto na qualidade dos novos negócios. Demonstra a vitalidade de nossa economia, o que atrai mais investimentos, gera empregos, aumenta o consumo, melhora a performance do Fisco, estimula um ciclo de crescimento em todos os setores”, diz o secretário.

Quase dois terços do total de empresas abertas em janeiro, 315 empreendimentos, se enquadram no setor de serviços, outras 147 são firmas comerciais e 28 são indústrias.

Transportes, consultórios médicos e odontológicos e lojas de artigos de vestuário e acessórios são subsetores que se destacam. Campo Grande concentra o maior número de novas empresas, 200 no total, seguida de Dourados (16), Ponta Porã (12), Paranaíba, Naviraí, Nova Andradina e Rio Brilhante, com 11 empresas cada. Ainda em janeiro, a Jucems registrou 1.749 alterações nos registros de empresas e 206 extinções.

* Com informações da assessoria 

Felpuda


Político experiente tem repetido que não é o momento de falar em eleições. O momento é de tensão, de incertezas políticas e econômicas – como se o País fosse uma ilha de preocupações cercada pelo coronavírus por todos os lados. Em Mato Grosso do Sul, onde já se registrou morte pela doença e o número de casos só tende a subir, não poderia ser diferente. “É suicídio político para quem ousar falar em eleição neste momento”, conclui. Só!