Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASIL

À PF, presidente e diretor da Vale dizem que desconheciam riscos em barragem

15 MAR 19 - 19h:15FOLHAPRESS

Em depoimentos à Polícia Federal nos últimos dias, o presidente afastado da Vale, Fábio Schvartsman, e o ex-diretor Peter Poppinga disseram que desconheciam riscos na barragem de Brumadinho.

Os dois foram ouvidos em inquérito sobre o rompimento do reservatório, que matou ao menos 203 pessoas -há ainda 105 desaparecidos.

Poppinga disse que teria demitido funcionários se tivesse sabido dos fatos apurados na investigação e Schvartsman afirmou que a Vale deve ser punida se tiver culpa no ocorrido. 

Os dois entregaram seus passaportes à Polícia Federal, apesar de não ter havido decisão judicial que determinasse a entrega.

O inquérito deve ser finalizado nos próximos dias, segundo apurou a reportagem. 

Na oitiva, Poppinga afirmou que desconhecia questões detalhadas da barragem, mas que, se soubesse dos fatos que estão na investigação, de pressão nas empresas que fazem auditoria, teria demitido os funcionários e teria evacuado o local. 

A força-tarefa que investiga o caso diz que os responsáveis pela segurança pressionaram a empresa alemã Tüv Süd a atestar a estabilidade da barragem.

Antes, segundo as investigações, teriam dispensado a belga Tractebel, que se recusara a emitir a declaração que certifica a segurança da estrutura.

Poppinga era diretor da área de Ferrosos, sob a qual está a mina de Brumadinho. Ele é também réu no inquérito que investiga o rompimento da barragem da Samarco em Mariana, em 2015 -o executivo ocupava vaga no conselho de administração da empresa.

Já Schvartsman disse a investigadores que não sabia de nada sobre a segurança da barragem. Ele e Poppinga se afastaram da gestão da empresa no início de março, atendendo a recomendação da força-tarefa.

O presidente afastado afirmou que teria evacuado imediatamente o local se tivesse sido orientado sobre os riscos. Grande parte das vítimas estava em instalações da empresa que ficam próximas à barragem.

Schvartsman disse também que foi infeliz a frase que disse na Câmara dos Deputados, em 14 de fevereiro, de que a Vale é uma joia brasileira e que não deveria ser condenada. A declaração foi dada em comissão externa da Câmara, em Brasília. 

Ele disse, agora, que deve haver responsabilização da empresa cível e criminalmente se comprovada a culpa, assim como no caso de técnicos e funcionários que tenham agido ou deixado de agir para evitar a queda da barragem. 

Com o afastamento de Schvartsman, o comando da mineradora foi assumido pelo diretor Eduardo Bartolomeo. 

Outros dois diretores também deixaram seus cargos: Lúcio Cavalli, da área de Planejamento e Desenvolvimento de Ferrosos e Carvão; e Silmar Magalhães, que cuidava das operações daquela região.
Na última sexta (8), também a pedido da força-tarefa, a Vale afastou mais dez funcionários, incluindo o gerente da Mina Córrego do Feijão, onde está a barragem, Rodrigo Artur Gomes de Melo, e técnicos responsáveis por segurança de barragens.

Nesta quinta (14), o STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou novamente a soltura de 13 pessoas investigadas pela força-tarefa. O grupo inclui funcionários da Vale e da Tüv Süd.

Eles haviam sido presos pela segunda vez nesta quinta. Parte deles foi presa pela primeira vez no dia 29 de janeiro e outra parte, em 15 de fevereiro. Todos, porém, conseguiram habeas corpus para deixar a cadeia.
Procurada, a Vale não se manifestou. A PF também não respondeu. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Primeira Organização Social<br> do Estado será substituída
SAÚDE

Primeira Organização Social do Estado será substituída

Operação investiga fraude em licitação para desvio de dinheiro público
ÁGUA CLARA

Gaeco cumpre mandado em empresa suspeita de fraude

Homem cochila, bate em caminhão e mulher fica presa às ferragens
TRÂNSITO

Homem cochila ao volante
e bate em caminhão

Governo promete pagar 12 meses <br> de Cassems para quem aderir ao PDV
DEMISSÃO VOLUNTÁRIA

Governo promete Cassems para quem aderir PDV

Mais Lidas