Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

segunda, 18 de fevereiro de 2019 - 05h17min

CAUSOS DA BOLA

Jogador do Operário morreu em campo após ser atingido por pedra

Na estreia da nova coluna do CORREIO, relembramos a maior tragédia nos campos de MS

19 JAN 19 - 00h:30RAFAEL RIBEIRO

Amigos e amigas leitores do Correio do Estado, o Campeonato Estadual de futebol de Mato Grosso do Sul começa neste sábado (19). E, para embalar a bola que vai rolar pelos gramados, temos o prazer de apresentar a vocês a estreia da nossa nova coluna 'Causos da Bola'.

Semanalmente, sempre aos sábados, convidamos você a viajar no tempo da história esportiva sul-mato-grossense através dos 64 anos acumulados nas páginas do jornal mais tradicional e querido do Estado.

Embarque com a gente nesta máquina do tempo e reviva junto conosco o que de melhor nosso arquivo tem a oferecer sobre os fatos esportivos. 

----

Mortes de jogadores em campo marcam. Assim foi em outubro de 2004, quando o zagueiro Serginho sofreu uma parada cardiorespiratória em pleno gramado do Morumbi, durante partida de seu São caetano contra o São Paulo pelo Campeonato Brasileiro.

O impacto do acontecimento motivou uma série de mudanças na legislação para praças esportivas, como a obrigatoridade de ambulâncias e desfribiladores para o início das partidas.

O caso fora tratado como inédito pela maioria da imprensa. Mas, como diz um amigo de longa data, o Mato Grosso do Sul é pioneiro em coisas que a gente nem imagina. O que necessariamente pode não ser uma coisa boa.

Contaremos agora a história de Eduardo, lateral-direito, que morreu em campo após eer atingido por uma pedrada no peito, na altura do coração. Após fazer apenas o seu quarto jogo com a camisa alvinegra. É considerada a maior tragédia ocorrida no esporte de nosso Estado.

Corria o segundo semestre de 1992 e junto dele nosso Estadual naquele ano, com um favorito absoluto: o Operário, campeão no ano anterior, dono de uma base sólida e sem a ameaça do maior rival, o Comercial, que não disputou aquela edição alegando problemas financeiros.

Parecia ser um caminho tranquilo. Mas o espaço deixado pelo Colorado fez com que os times do interior quisessem aproveitar a chance para se tornarem o maior oponente do Galo. Mas coisas sairiam de controle, como se verá.

TRAGÉDIA

Após o término da última fase de classificação, a tabela apontou o Pontaporense como o rival do Operário nas semifinais. O confronto, considerado tranquilo até então, parecia ainda mais sem precalços após a calma vitória no duelo de ida, no Morenão, por 2 a 0.

Mas o duelo de volta, disputado no Estádio Aral Moreira, no dia 30 de novembro daquele ano, no entanto ficaria marcado para sempre no futebol sul-mato-grossense.

O clima era de tensão. Os torcedores da cidade fronteiriça levaram a sério  a decisão e, em um primeiro tempode fortes emoções e, após um primeiro tempo equilibrado, com direito ao goleiro operariano Marcílio defendendo pênalti marcado para os mandantes, o descontrole tomou espaço na etapa final e com as chances cada vez se rareando mais para os dois gols necessários para tirar a vaga do time da Capital.

E assim se deu a tragédia.

Começou logo aos 17 minutos. Marcílio, herói do Mais Querido, foi atingido pela primeira garrafada jogada ao campo. A torcida entendeu que era cera. E o clima esquentou. Dentro de campo, as entradas passaram a ser mais ríspidas. Fora dele, cada vez mais objetos jogados no gramado.

O estopim definitivo veio aos 30 minutos. Gonçalves, do Operário, e Marquinhos, do Pontaporense, trocaram agressões e foram expulsos, dando início à invasão de campo e briga generalizada.

Os jogadores operarianos corriam para o vestiário tentar se abrigar da violência. Mas os torcedores arremessavam objetos na tentativa de feri-los. onseguiram. Eduardo fi atingido quando botou o seu pé direito na escadaria do vestiário. Caiu sem sentidos, foi arrastado pelos companheiro de time pelas pernas e socorrido a um pronto-socorro da cidade, onde já chegou sem vida.

Não foi a única vítima da barbárie.Repórteres, cinegrafistas apanharam com socos, chuts e pauladas. Cabines de imprensa foram apedrejadas. E os 50 policiais militares designados para a segurança do jogo em uma completa inutilidade diante do caos instaurado.

A notícia da morte de Eduardo destruiu o emocional do Operário. Trancados no vestiário, jogadores choravam copiosamente. O mordomo João Garcia, um ícone do Galo e mais antigo funcionário do clube na ocasião, desmaiou com um princípio de infarto. 

Eduardo César de Campos tinha 30 anos. Fazia apenas o seu quarto jogo com a camisa alvinegra. Nascido em Rolândia (PR), iniciou a carreira no interior de Minas Gerais, mas fi no paulista que ganhou certo destaque nas divisões inferiores, atuando por clubes como XV de Piracicaba, Fernandópolis e Olímpia. Chegara ao Mais Querido apenas 38 dias, por empréstimo. Deixou mulher e duas filhas.

Legenda da Foto

CONSEQUÊNCIAS

A inevitável repercussão da morte de um jogador em campo por motivação violenta ganhou manchetes por todo o Brasil.

O Correio do Estado acompanhou o desenrolar dos fatos e logo no dia seguinte à barbárie a polícia agiu. Dois torcedores de Ponta Porã que teriam antecedntes criminais dforam identificados nos vídeos do jogo (a partida foi transmitida ao vivo) agredindo os operarianos. Até mesmo um PM à páisana, que estaria de folga e bêbado, é flagrado com um revólver em punho ameaçando os adversários e arrebentando o alambrado para a invasão de mais colegas.

Na esfera investigativa, promotores e até juízes se uniram para determinar culpas e responsabilidades, da PM, com um efetivo reduzido, do clube, pela omissão, da Polícia Civil, por liberar os poucos torcedores detidos por falta de provas, e até da própria Federação Sul-Mato-Grossense. 

Prova maior do choque causado pelo caso foi a atitude de cidadãos de Ponta Porã que não estavam no jogo e foram ao hospital consolar jogadores e torcedores do alvinegro feridos, além da família de Eduardo, hospedada gratuitamente na cidade para resolver as questões quanto à liberação do corpo.

Os dias que se seguiram foram de dúvidas e incertezas. Em um primeiro momento, o elenco não queria mais jogar a competição. O então presidente Osvaldo Durões e o técnico Sílvio Elite anunciaram que acatariam a dec isão do grupo, que depois de muito debate, optou por seguir no campeonato. 

Sem nenhuma condição psicológica, o Operário perdeu a disputa do título para o Nova Andradina, pela primera vez campeão estadual, em campanha histórica comandada pelo ídolo Nilson Aragão, chamado de 'Endiabrado' pelos torcedores e artilheiro daquela edição com dez gols marcados. Foi o único título do clube interiorano, hoje licenciado, até hoje na história.

De concreto sobre a selvageria, apenas a interdição do Estádio Aral Moreira, cuja liberação só viria no início de 1994, justamente o ano em que o clube local conquistaria seu único título estadual. Os acusados acabaram inocentado por provas de contundentes nos cfrimes mais pesados, como o assassinato.

Pouco adiantou as boas intenções da Pontaporense, que divulgou uma histórica nota de pesar, em que lamentava as constantes aparições da cidade nas manchetes nacionais por causa da violência. O objetivo foi cumprido para parte da torcida do Galo, que até hoje trata a cidade fronteiriça com desprezo pelo incidente e que torna os já não mais realizados jogos entre os clubes (o Pontaporense também está licenciado) de alto risco e grande atenção das autoridades.

CONFIRA A COBERTURA NA ÍNTEGRA:

 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em Copa do Brasil de zebras, Comercial marcou história de MS há 25 anos
CAUSOS DA BOLA

Comercial marcou história de MS na Copa do Brasil

Em 1980, técnico escalou o próprio patrão. E afundou o time...
CAUSOS DA BOLA

Em 80, técnico escalou o próprio patrão. E afundou o time...

Correio antecipou em 1982 denúncia da 'Máfia da Loteria' em MS
CAUSOS DA BOLA

Correio antecipou em 1982 denúncia da 'Máfia da Loteria'

Mais Lidas