Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CRISE

Venezuela adere a moeda virtual em meio à crise com hiperinflação

17 MAR 19 - 02h:00AGÊNCIA BRASIL

A população da Venezuela começou a usar moedas virtuais para pagar por alimentos e outros itens de necessidade, enquanto a turbulência política empurra a nação para uma crise mais profunda.

A hiperinflação assola a economia, em meio ao conflito em andamento entre o presidente, Nicolás Maduro, e o líder oposicionista Juan Guaidó, com apoio americano. A escassez de alimentos e de remédios continua a provocar o aumento descontrolado dos preços. Segundo a oposição, a inflação venezuelana atingiu a taxa anualizada de 2,29 milhões em fevereiro.

O uso dos principais cartões de crédito foi limitado e um crescente número de lojas está aceitando apenas a moeda americana. Especialistas afirmam que as circunstâncias provocaram o uso de criptomoedas pela população.

O grupo de um setor industrial declarou que o dinheiro digital, ou moeda virtual, está sendo usado em mais de 2.500 estabelecimentos na Venezuela, incluindo restaurantes e supermercados. O grupo afirma que o número de lojas aceitando criptomoedas deve triplicar para 7.500 até o final do ano. A previsão é que o número de usuários chegue a cerca de 10 mil pessoas.

*Com informações da Deutsche Welle (agência pública da Alemanha)

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

STJ manda soltar Pezão, ex-governador do Rio preso há um ano
USARÁ TORNOZELEIRA

STJ manda soltar Pezão, ex-governador do Rio preso há um ano

BRASÍLIA

'Paciência', diz Bolsonaro sobre Brasil poder perder voto na ONU por dívida

Com presença de Mourão, Alberto Fernández assume presidência da Argentina
MUNDO

Com presença de Mourão, Alberto Fernández assume presidência da Argentina

BRASIL

Lava Jato investiga R$ 132 milhões da Oi para empresas ligadas a Lulinha

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião