NEGÓCIOS

Venda de ativos da JBS precisa ser amplamente discutida, diz chefe do BNDES

Venda de ativos da JBS precisa ser amplamente discutida, diz chefe do BNDES
20/06/2017 14:28 - Folhapress


O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro disse nesta terça (20) que ainda não foi informado sobre o plano de venda de ativos da JBS mas que entendeu o anúncio feito pela empresa como uma "intenção boa".
Em crise após a delação de seus controladores, a JBS anunciou nesta terça (20) planos para vender R$ 6 bilhões em ativos para reduzir seu endividamento.

"O que a atual administração está falando tem ainda que ser amplamente debatido no conselho de administração. Não houve ainda essa reunião, haja vista que não estou nem informado", disse Rabello de Castro, em entrevista após evento para comemorar os 65 anos do BNDES.

O banco é o maior acionista minoritário da JBS, com 21,3%, e tem participação no conselho de administração da companhia.

"O máximo que pode ser sido anunciado é uma intenção. Uma intenção, aliás, boa", completou o presidente do BNDES.

O executivo disse que a prioridade para o banco, enquanto acionista, é "unir esforços para defender empregos e o faturamento dessa empresa".

Questionado sobre a possibilidade de venda das ações do banco na JBS, ele afirmou que "os momentos mais adequados de fazer uma alienação de ativos é quando a situação desse ativo está bem na curva de preços, e não subavaliado".

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".