Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DENÚNCIAS

Temer diz a aliados que ex-ministro ofereceu avião de Joesley para viagem

8 JUN 17 - 13h:54FolhaPress

O presidente Michel Temer disse a aliados que foi o ex-ministro Wagner Rossi quem ofereceu a ele o avião particular do empresário Joesley Batista, da JBS, para que ele levasse sua família ao litoral da Bahia em janeiro de 2011.

Temer teria pedido a Rossi, que é seu amigo e era ministro da Agricultura na ocasião, uma aeronave para a viagem a Comandatuba. O presidente relatou a auxiliares que Rossi providenciou um jato particular, mas alegou que não foi informado de que o avião era de Joesley.

Rossi, no entanto, foi o responsável pela aproximação entre entre Temer e Joesley. Segundo relatos do próprio empresário, em delação premiada à PGR (Procuradoria-Geral da República), o ex-ministro o apresentou a Temer em 2010 -portanto antes do empréstimo do jato particular.

O Palácio do Planalto informou que não vai comentar o relato feito por auxiliares do presidente sobre o caso. A reportagem também procurou o ex-ministro Wagner Rossi, mas não houve resposta até a publicação deste texto.

Em depoimento à PGR, o executivo da JBS afirmou que o presidente e sua mulher, Marcela Temer, viajaram em uma aeronave cedida por ele quando o peemedebista tinha acabado de assumir o cargo de vice-presidente, em janeiro de 2011.

Temer inicialmente negou o uso do jato particular, mas mudou de versão nesta quarta-feira (7) e afirmou, em nota oficial, que utilizou "aeronave particular" para levar sua família a Comandatuba, no litoral da Bahia.

As presenças do presidente e da primeira-dama foram registradas em diário de bordo do jato particular, divulgado pelo site "O Antagonista" e obtido também pela Folha de S.Paulo.

A viagem foi um compromisso secreto do então vice-presidente, uma vez que não foi registrada em agenda oficial. Em nota divulgada nesta quarta-feira (7), o Palácio do Planalto confirmou, no entanto, que o voo ocorreu. As datas de ida e de volta admitidas pelo governo coincidem com as apontadas em depoimento do executivo da JBS à PGR.

"O então vice-presidente utilizou aeronave particular em 12 de janeiro de 2011 para levar sua família a Comandatuba, deslocando-se em seguida a Brasília, onde manteve agenda normal. A família retornou a São Paulo no dia 14, usando o mesmo meio de transporte", disse o governo.

Ainda assim, o Palácio do Planalto afirma que Temer "não sabia a quem pertencia a aeronave" e que "não fez pagamento pelo serviço".

Relato feito por Joesley aos procuradores, no entanto, contradiz a versão do presidente. O empresário disse que o próprio Temer telefonou para ele na ocasião para agradecer pelo envio de flores para enfeitar a aeronave que seria usada pela família do presidente. A informação também foi confirmada pela Folha.

Nos bastidores, auxiliares e assessores reconhecem que o avião era do empresário. O prefixo da aeronave do executivo é PR-JBS, ou seja, contém o próprio nome da empresa.

Segundo a assessoria presidencial, Temer prestará explicações sobre o caso "no devido momento", dentro do inquérito aberto contra ele a partir da delação premiada da JBS.

RECUO

Na terça-feira (6), a Presidência da República havia negado que Temer tivesse viajado à Bahia em janeiro e dito que o presidente só havia ido a Comandatuba em abril, em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira). O Planalto havia afirmado ainda não ter registro de viagem dele em avião "do empresário Joesley Batista".

Para justificar o recuo, a equipe do presidente disse que cometeu um erro e que pesquisou a agenda de 12 de janeiro, mas não encontrou o compromisso. Segundo auxiliares de Temer, o próprio peemedebista não se recordava da viagem e se lembrou após conversa com a primeira-dama. Eles se falaram na noite de terça no Palácio do Jaburu, residência oficial.

A Secretaria de Comunicação Social não respondeu a perguntas enviadas pela Folha sobre o episódio, entre elas por que a viagem não constou na agenda oficial, como um vice-presidente entrou em uma aeronave cujo dono desconhecia e por que ele optou por um jato particular para a viagem, uma vez que ele poderia utilizar uma aeronave da FAB.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PROCURADOR DA REPÚBLICA

Deltan Dallagnol abre mão de promoção para ficar na Lava Jato

Três pessoas morrem em queda de avião em Belo Horizonte
ACIDENTE AÉREO

Três pessoas morrem em queda de avião em Belo Horizonte

Mundial abre venda de ingressos em estádios a cinco dias de início
SUB-17

Mundial abre venda de ingressos a cinco dias de início

AIRBNB

STJ vai decidir se condomínios podem proibir aluguéis por aplicativos

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião