Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Recuo

Setor de serviços tem retração
de 0,8% em julho

É a primeira queda desde março, quando o recuo foi de 2,3%.

13 SET 17 - 08h:42G1

O volume do setor de serviços do país caiu 0,8% em julho frente a junho na série com ajuste sazonal, informou nesta quarta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). É a primeira queda desde março, quando o recuo foi de 2,3%. A queda vem após crescimento de 1,3% em junho, de 0,3% em maio e de 1,1% em abril.

De acordo com o analista da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE, Roberto Saldanha, o setor de serviços vinha crescendo desde outubro do ano passado. O resultado de março interrompeu a trajetória de crescimento, que foi retomada em abril, mas voltou a cair em julho.

No acumulado de 12 meses, o volume do setor de serviços caiu 4,6%. Já de janeiro a julho, a queda é de 4%. Em relação a julho de 2016, o recuo é de 3,2%. Todos essas séries são sem ajuste sazonal.

Segmentos

O segmento de serviços prestados às famílias (hotéis, restaurantes, atividades esportivas e outros) foi o único a crescer (0,9%) em julho frente ao mês anterior.
“Julho foi o último mês para saque das contas inativas do FGTS, portanto, podemos considerar que a melhora na renda das famílias contribuiu para o aumento no consumo de serviços”, disse.

Saldanha destacou que os serviços profissionais, administrativos e complementares, que tiveram queda de 2%, foi o principal responsável pela queda total do setor.

Segundo o economista, “esta foi uma queda pontual”, mas ainda assim não há indícios de recuperação do setor de serviços no país.

“Para ocorrer essa recuperação tem-se que verificar um crescimento mais robusto da indústria. Só o setor industrial pode alavancar os serviços, além do setor público por meio de suas contratações – entenda como terceirização”, ressaltou Saldanha.

Já as atividades turísticas tiveram queda de 2,1% em relação a junho, e de 5% na comparação a julho de 2016. Apesar de julho ser um período de férias escolares, o que estimularia as viagens e as hospedagens no país, Saldanha ressaltou que “esse segmento está com um histórico predominantemente negativo, entre outros motivos, por causa da inflação no preço das passagens aéreas em julho”.

Receita

A receita nominal em julho, na série com ajuste sazonal, ficou praticamente estável (-0,1%). Na comparação com julho de 2016, a variação foi de 1,9%. A taxa acumulada no ano ficou em 1,7% e a dos 12 meses, em 0,7%.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MALHA VIÁRIA

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
ATÉ AGOSTO

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

BRASIL

MP de diz perplexo com devolução de demarcação de terras indígenas à Agricultura

Mais Lidas