Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA

Sem exportações, PIB do primeiro trimestre teria caído 0,5%, dizem economistas

1 JUN 17 - 14h:30Folhapress

O crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) no primeiro trimestre de 2017 pode ser colocado integralmente na conta da forte expansão das exportações líquidas brasileiras, segundo os economistas do Haitong.

Sob a ótica da demanda da economia, as exportações subiram 4,8% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior, enquanto o setor agropecuário, sob a ótica da oferta, subiu 13%.

Nas contas de Flavio Serrano e Jankiel Santos, as exportações líquidas contribuíram com uma alta de 1,5% da alta total de 1% registrada por toda a economia nos primeiros três meses do ano.

Isto significa dizer, segundo os economistas, que a contribuição do mercado interno -os dados de consumo, investimento e gastos do governo- teria sido negativa em 0,5% para o desempenho total. Os números levam em conta a participação de cada um dos setores na economia brasileira.

Os economistas dizem ainda que veem como pouco provável que o desempenho excepcionalmente robusto das exportações líquidas se mantenha no mesmo patamar ao longo do ano, de forma a compensar a contribuição ainda negativa do ambiente doméstico.

Para os economistas, a análise dos números reforça a percepção de que o ambiente ainda é negativo para o país. E que a recuperação da economia aparenta ter uma natureza bastante gradual e frágil, e mesmo a trajetória lenta de retomada corre riscos de não se materializar.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

EX-PRESIDENTE DO PT

Segunda Turma do STF arquiva investigação contra Berzoini

300 MORTOS

Grupo Estado Islâmico reivindica atentados no Sri Lanka

90 DIAS

PF pede prorrogação de inquérito que apura atentado contra Bolsonaro

PREVIDÊNCIA

Porta-voz: governo sabe que enfrentará ainda fortes resistências à reforma

Mais Lidas