Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ECONOMIA BRASILEIRA

Sem CPMF, governo busca alternativa para fechar Orçamento

Governo Federal tem que apresentar ao Legislativo projeto do Orçamento até amanhã

30 AGO 15 - 11h:40G1

Diante da desistência da presidente Dilma Rousseff de apresentar ao Congresso Nacional um projeto para recriar a CPMF, os ministros que integram a chamada "junta orçamentária do governo" buscam uma alternativa para fechar as contas do próximo ano sem perder credibilidade.

O Governo Federal tem que apresentar ao Legislativo o projeto do Orçamento de 2016 até esta segunda-feira (31).

De forma pragmática, sem os R$ 80 bilhões que poderiam ser arrecadados com o novo tributo, os ministros da área econômica avaliam as possibilidades de criar novos impostos, de promover corte orçamentário e até mesmo desenhar uma solução que envolva essas duas opções.

Outra alternativa ao Executivo seria reconhecer que, atualmente, não existem recursos suficientes para fechar as contas, explicitando o problema.

A repercussão negativa do possível retorno da CPMF em diversos setores da sociedade levou Dilma a desistir, pelo menos neste momento, da proposta da equipe econômica em uma reunião na tarde deste sábado (29) no Palácio da Alvorada. A avaliação interna é que o governo não teria capital político para aprovar o novo tributo no Congresso e, caso insistisse, sofreria uma derrota expressiva.

Conforme o Blog antecipou, a presidente da República tinha dúvidas em relação à proposta da equipe econômica e apresentava resistências à criação de um novo tributo na atual conjuntura política e econômica. Auxiliares políticos da presidente também consideravam que era um erro insistir nesta proposta.

Tanto que, assim que a desistência de recriar a CPMF foi ventilada em Brasília, ministros do núcleo político do Palácio do Planalto comemoraram a decisão da presidente. Havia uma preocupação clara de que se Dilma insistisse em tentar apresentar a proposta de um novo tributo, o PMDB poderia adotar posição contrária, se unindo à oposição para derrotar o governo no parlamento.

Nas palavras de um integrante da articulação política, isso teria consequências imprevisíveis para a governabilidade.

Na última quinta-feira (28), Dilma demonstrava contrariedade com a pressão da equipe econômica pela volta da CPMF. "Das coisas que eu não queria fazer no meu governo, a primeira da lista é a recriação da CPMF", desabafou Dilma na quinta.

Neste sábado (29), durante um seminário em São Bernardo do Campo (SP), o ex-presidente Lula – 
padrinho político de Dilma – saiu em defesa do retorno do tributo que foi extinto pelos congressistas ao longo de seu segundo mandato, em 2007. Dirigindo-se ao atual ministro da Saúde, Arthur Chioro, Lula ressaltou que, na opinião dele, a CPMF nunca deveria ter acabado.

Por outro lado, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usou as redes sociais para alvejar a ideia gestada no Palácio do Planalto. Opositor do governo, o peemedebista disse no Twitter que era"totalmente contra" a volta da CPMF.

Até mesmo o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) – que nas últimas semanas vinha ensaiando uma reaproximação com Dilma – ressaltou a jornalistas na quinta-feira que, para ele, o país não deve elevar a carga tributária em momento de crise econômica.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AGOSTO

Ministério confirma participação em evento sobre mudanças climáticas

Maia anuncia agenda conjunta com o Senado para reestruturar o Estado
MEDIDAS

Maia anuncia agenda conjunta com o Senado para reestruturar o Estado

Câmara dos Deputados debate sobre reforma da previdência para iniciativa privada
DIVERGÊNCIAS

Câmara dos Deputados debate sobre reforma da previdência para iniciativa privada

Plenário terá oito MPs para <br> analisar na próxima semana
CÂMARA DOS DEPUTADOS

Plenário terá oito MPs para analisar na próxima semana

Mais Lidas