Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SUPREMO

Relator vota por descriminalizar, mas julgamento é adiado

Para Gilmar Mendes, punição não garante saúde coletiva nem segurança

20 AGO 15 - 16h:12G1

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quinta-feira (20) a favor da descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal. O julgamento foi interrompido em seguida, com o pedido de vista do ministro Edson Fachin, e não há previsão para quando o tema voltará a ser analisado.

Ao votar a favor da descriminalização, Mendes considerou que o artigo da Lei Antidrogas que define o porte como crime contraria a Constituição, pois, além de afetar a intimidade do usuário, não garante a proteção da saúde coletiva e a segurança pública.

Relator da ação sobre o assunto no STF, Mendes foi o primeiro a votar num processo que pretende derrubar a condenação de um homem que assumiu a posse de 3 gramas de maconha. A decisão final, que será aplicada para todos os casos semelhantes, ainda depende do voto dos outros 10 ministros da Corte.

Ao pedir vista, o ministro Edson Fachin afirmou precisa de mais tempo para analisar a questão. Ainda não há previsão para retomada do julgamento.

Atualmente, embora não seja condenada à pena de prisão, uma pessoa considerada usuária ou dependente de drogas cumpre as chamadas "penas alternativas": leva uma advertência, é obrigada a prestar serviços à comunidade por certo período ou a comparecer a programa ou curso educativo.

Medidas de natureza civil e administrativa
Em seu voto, Mendes propôs retirar a "natureza penal" dessas medidas, que teriam apenas "natureza civil e administrativa". Assim, uma pessoa flagrada com drogas seria somente notificada a comparecer diante de um juiz para que ele determine quais dessas medidas que iria cumprir.

Já no caso de uma pessoa flagrada vendendo drogas, suspeita de tráfico, só poderia ficar presa preventivamente (antes da condenação, por tempo indeterminado) se for "imediatamente" apresentada ao juiz.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CORRUPÇÃO

TRF reduz pena, mas mantém condenação de ex-presidente da Petrobras

Sentença de Aldemir Bendine caiu de 11 anos para 7 anos e 9 meses
APOIO EUROPA

Reino Unido manifesta apoio ao ingresso do Brasil na OCDE

Embaixador britânico diz que a integração trará “claro progresso”
CASO RAFAEL MIGUEL

Polícia divulga imagens com possíveis disfarces de homem procurado por matar ator

INVESTIGAÇÃO

Lava Jato diz que desativou contas do Telegram 'após invasão criminosa'

Mais Lidas