Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SEM DINHEIRO

Reitores de universidades do Rio dizem que não há condição de iniciar 2° semestre

Reitores de universidades do Rio dizem que não há condição de iniciar 2° semestre
06/07/2017 23:00 - FOLHAPRESS


Os reitores das três universidades estaduais do Rio de Janeiro enviaram carta ao secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Pedro Fernandes, alertando que, caso não seja normalizado o pagamento do 13º salário de 2016 e os vencimentos de abril, maio e junho deste ano, as universidades do Estado Uerj, Uenf -do Norte Fluminense- e a Uezo (Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste) não terão condições de iniciar as aulas no próximo semestre. As informações são da Agência Brasil.

As três universidades de ensino estão fechando o segundo semestre de 2016, iniciado em abril, depois de um longo período de greve, devido à crise financeira do governo do estado. Servidores e docentes estão com os salários atrasados, bem como o pagamento de bolsas a alunos.

Os reitores destacam que a paralisação ou descontinuidade das atividades educacionais ocasionará um grave prejuízo direto a mais de 150 mil alunos da rede pública de ensino superior e às atividades econômicas e sociais ligadas às instituições.

O documento esclarece que o término do atual semestre só será possível graças ao comprometimento dos professores, quadro técnico e das empresas prestadoras de serviço.

A carta cita ainda uma ação movida pela OAB-RJ que obriga o governo do Estado a pagar os servidores das universidades na mesma data em que remunera os servidores da secretaria.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Ciência e Tecnologia e aguarda resposta sobre a carta dos reitores das universidades estaduais com relação à falta de condições de iniciarem as aulas no próximo semestre.

Felpuda


É grande a expectativa em torno de qual foi a justificativa de conhecida figura que beneficiou sujeito, e este, aproveitando a, digamos, boa vontade demonstrada, simplesmente “sumiu do mapa”. Órgão nacional pediu explicações para o “benfeitor”, e o prazo já venceu. Como as decisões por lá não ficam escondidas do distinto público, logo, logo, a curiosidade deverá ser contemplada. É esperar para conferir!