Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Em vigor

Reajuste dos combustíveis anunciado pela Petrobras já está valendo

No mês, a alta acumulada da gasolina nas refinarias é de 10,5%.

5 SET 17 - 11h:11R7

A partir de hoje, dia 5, começa a valer o reajuste de 3,3% anunciado pela Petrobras ontem. Na semana passada a companhia já havia anunciado reajustes de 4,2% e 2,7% para a gasolina, com os preços incidindo todos em setembro. No mês, a alta da gasolina nas refinarias é de 10,5%.

No diesel, o reajuste anunciado nesta segunda-feira foi marginal, de 0,1%. Antes o combustível havia subido 0,8% e 4,4%.

A nova elevação nos preços da gasolina em suas refinarias, que passam a acumular alta de mais de 10% em poucos dias de setembro. A explicação é a passagem do furacão Harvey pelos Estados Unidos na semana passada, que levou ao fechamento de refinarias e a uma disparada nos valores de referência. O preço não é repassado imediatamente para as bombas.

A estatal disse em comunicado que o novo reajuste foi decidido por seu Grupo Executivo de Mercado e Preços (GEMP), convocado quando há necessidade de reajustar os combustíveis em mais de 7% para cima ou para baixo em um único mês.

A Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis) explica que o preço na bomba dos postos depende do valor cobrado pelas distribuidoras, que são as principais impactadas pela alta nas refinarias. Veja a explicação da representante dos postos de combustíveis.

"A Fecombustíveis não se pronuncia sobre o impacto do preço na bomba. Os preços dos combustíveis no Brasil são livres, e a cadeia é complexa. Os postos não compram combustíveis das refinarias, compram das distribuidoras. As distribuidoras, por sua vez, compram das refinarias e arcam com outros custos como fretes, custos do etanol anidro, que é misturado à gasolina, e os custos do biodiesel, que são adicionados à mistura do diesel. Sem contar que a formação de preços dos combustíveis embutem impostos estaduais e federais. Portanto, a relação de preços das refinarias da Petrobras não é direta para o consumidor. Os custos dos combustíveis vendidos aos postos dependem do valor que compram combustíveis das distribuidoras".

Impactos do furacão

Em nota divulgada ontem, a Petrobras explicou que na última semana, "em face dos impactos do furacão Harvey na operação das refinarias, oleodutos, e terminais de petróleo e derivados no Golfo do México, os mercados de derivados sofreram variações intensas de preços".

Apesar da convocação do grupo de preços para autorizar reajustes logo no início do mês, a Petrobras afirmou que a avaliação dos executivos do GEMP é de que a companhia tem conseguido praticar valores adequados às volatilidades dos mercados de derivados e do câmbio.

Especialistas do mercado já apontavam que os efeitos do Harvey deviam pressionar a Petrobras a novos reajustes na gasolina, devido às promessas da companhia de não praticar preços abaixo da paridade internacional.

Os impactos da tempestade nos EUA, no entanto, começam a ser dissipados nesta semana, com refinarias retomando lentamente suas atividades. Os preços de referência da gasolina nos Estados Unidos caíam cerca de 4% nesta segunda-feira para os níveis mais baixos desde 25 de agosto, quando o Harvey atingiu o continente.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CASO COAF

Justiça do Rio julga hoje habeas de Flávio Bolsonaro contra quebra de sigilo

TELECOMUNICAÇÃO

Acordo vai encerrar cobrança de roaming em países do Mercosul

39 QUILOS DE COCAÍNA

Defesa volta a pedir acesso à investigação sobre sargento da FAB

RASTRO DE DESTRUIÇÃO

Recuperação de cidade afetada por rompimento de barragem na BA poderá levar meses

Mais Lidas