Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASÍLIA

PSL busca guinada política sem Bolsonaro

1 DEZ 19 - 13h:55ESTADÃO CONTEÚDO

Abrigo da família Bolsonaro nas eleições do ano passado, o PSL prepara um reposicionamento político e estratégico após a anunciada saída do presidente da República, que pretende criar uma nova legenda. Para ampliar sua base nas eleições de 2020, o partido fala agora em se aproximar de governadores e formar alianças que antes esbarravam na resistência dos bolsonaristas.

A expectativa entre os aliados do deputado Luciano Bivar (PSL-PE), presidente e fundador do partido, é que a dissidência deve reduzir a bancada de 53 deputados para um número entre 27 e 30 parlamentares. Isso não afetaria, porém, o tempo de TV no horário eleitoral nem os R$ 358 milhões que o PSL terá para gastar no pleito de 2020 - R$ 245 milhões do Fundo Eleitoral e R$ 113 milhões do Fundo Partidário. O cálculo é com base na bancada eleita em 2018.

Com esse ativo o partido se tornou um aliado cobiçado. Em São Paulo, a sigla tem conversado com o governador João Doria e pode formar uma chapa com o PSDB na disputa pela prefeitura da capital. A ideia de reunir Bruno Covas e a deputada federal Joice Hasselmann é defendida abertamente por Doria, que é visto como adversário político por Bolsonaro.

A aproximação com o PSDB também acontece no Rio Grande do Sul, onde a parte da legenda ligada a Bivar discute alianças com o governador do Estado, Eduardo Leite (PSDB). O movimento existe a despeito de o presidente do partido no Estado, deputado federal Nereu Crispim - aliado de Bolsonaro -, ter anunciado anteontem a saída da legenda da base de Leite.

Conversas também são conduzidas na Bahia, onde o PSL constrói pontes com DEM para disputar a prefeitura de Salvador. No Rio, após romper com Wilson Witzel (PSC), o PSL pós-Bolsonaro se reaproximou do governador e articula uma aliança para a disputa pela capital fluminense.

"O PSL pode somar com seu tempo de TV e fechar com o Republicanos e o PSDB, por exemplo. O partido pode compor a vice (nos Estados)", disse o deputado federal Junior Bozzella (SP), um dos mais próximos aliados de Bivar.

A cúpula do PSL ambiciona conquistar entre 300 e 500 prefeituras em 2020. Entre as capitais, estão colocadas as pré-candidaturas de Joice em São Paulo, do deputado estadual Fernando Francischini em Curitiba e do radialista Nilvan Ferreira em João Pessoa.

O movimento de se abrir para alianças é alvo de críticas do grupo leal a Bolsonaro. "Depois da janela partidária, o PSL vai virar um partido fisiológico. O partido não existe sem os Bolsonaro", disse o deputado estadual Douglas Diniz (PSL-SP), que pretende migrar para o novo partido do presidente.

Discurso

Além de adotar uma linha mais pragmática, o "novo" PSL planeja repaginar o discurso para atrair o eleitor de direita que rejeita o estilo beligerante e a agenda militarista de Bolsonaro O partido deve manter o mote conservador nos costumes e liberal na economia, mas vai abandonar a agenda ideológica representada pelo escritor Olavo de Carvalho.

"O PSL será realmente alinhado com as bandeiras liberais na economia e não um partido nacionalista travestido de liberal. A parte do partido que está saindo é militarista, nacionalista e não liberal de fato", disse Joice, ex-líder do Governo no Congresso. Segundo ela, os dissidentes bolsonaristas não são "PSL raiz". "São xiitas que desrespeitam a democracia e atacam as instituições", disse.

Para Bozzella, sem os Bolsonaro o PSL pretende deixar de lado o tom radical no discurso e se contrapor aos extremos. "Há um extremismo autoritário no 'olavismo' que é extremamente ideológico. A postura entre as pessoas que cercam esse grupo é beligerante. Usam um tom ríspido, desrespeitoso, agressivo e próximo ao que vemos o Olavo de Carvalho fazer nas redes sociais", disse o deputado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet
BRASÍLIA

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet

SAÚDE

Número de usuários de canabidiol sobe 9 vezes em 4 anos

Helena e Miguel foram nomes de bebês mais escolhidos em 2019
BRASIL

Helena e Miguel foram nomes de bebês mais escolhidos em 2019

Receita libera consulta a lote de restituição na próxima segunda
BRASIL

Receita libera consulta a lote de restituição na próxima segunda

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião