Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

INVESTIGAÇÃO

Procuradoria apura ação policial que apreendeu fuzis em aeroporto do Rio

7 JUN 17 - 15h:04Folhapress

O Ministério Público Federal no Rio investiga se a Polícia Civil fluminense atuou de forma irregular na apreensão de fuzis no terminal de cargas do Aeroporto Internacional Tom Jobim, na última quinta-feira (1º).

Descrita como a maior apreensão de armas de uma só vez do país, na ação foram apreendidas 60 armas de guerra mais diversas munições, entre elas, 45 AK47, 14 AR10 e uma G3. O armamento estava escondido entre cargas com aparelhos de aquecedores para piscina.

O Ministério Público Federal quer saber por que a Polícia Federal não participou da operação, já que o aeroporto internacional é área sob controle da PF.

Ao justificar a instauração da investigação, o procurador da República Eduardo Santos de Oliveira, coordenador do Controle Externo da Atividade Policial no Rio de Janeiro, disse que "evidentemente não é a apreensão de armas em si o centro de nossas preocupações, uma vez que entrada ilegal de armas, inclusive as de grosso calibre, pelas fronteiras do país, especialmente aeroportos e portos, destinam-se, em regra, a fortalecer o crime organizado, com ênfase nas facções criminosas que dominam o tráfico de substâncias entorpecentes e que, neste cenário, o Estado perde eficácia em seu dever de combater o crime. A questão é compreender em que circunstâncias a operação foi deflagrada e quais são seus antecedentes".

Na instauração da investigação, o MPF afirma ainda que o Departamento de Polícia Federal encontra no setor aeroportuário brasileiro, "senão a mais importante, uma de suas principais áreas de atuação, agindo contra práticas de repercussão interestadual e internacional, para prevenir e combater, dentre outras práticas ilícitas, o contrabando e o descaminho".

A Polícia Federal e a Polícia Civil do Rio de Janeiro terão cinco dias para prestar esclarecimentos.
A Polícia Civil não comentou a investigação até a publicação deste texto.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AÇÃO TRANCADA

Tragédia de Mariana: 'Inundação é crime de perigo comum', diz TRF-1

Ninguém acerta as 6 dezenas da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 105 milhões
LOTERIA

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 105 milhões

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais
ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições
SENADO

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições

Mais Lidas