Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Reestruturação

Presidente da Petrobras diz que recuperação é 'projeto de cinco anos'

10 AGO 15 - 07h:00Folhapress

O presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, afirmou que a recuperação da petroleira "é um projeto de cinco anos".

Em entrevista publicada neste domingo (9) pelo jornal "O Estado de S.Paulo", ele disse que a Operação Lava Jato, que investiga desvios na estatal, "consome energia" e "carrega uma carga negativa".

Segundo ele, o trabalho de reestruturação só terminará quando todos os processos da companhia forem passados a limpo.

A declaração ocorre depois de a empresa anunciar uma queda de 89% no lucro do segundo trimestre, em relação a igual período do ano passado. A Petrobras reportou, na última quinta-feira (6), um lucro líquido de R$ 531 milhões de abril a junho deste ano.

Bendine afirmou que a empresa dará prioridade à sua rentabilidade em detrimento da produção de maiores volumes de petróleo, principalmente por conta do cenário de queda no preço do barril.

Segundo o presidente da estatal, a Petrobras passou por uma excessiva terceirização de mão de obra e o momento é de mudança na estrutura organizacional. Questionado se haverá demissões, limitou-se a dizer que o inchaço da empresa estava atrelada a um "boom nas indústria por mais de uma década'.

Diante da queda do barril, disse, a empresa demorou a adotar medidas de ajuste estrutural. "As petroleiras começaram a fazer o dever de casa antes". Atualmente, afirmou, a maior preocupação da Petrobras é equacionar sua dívida. "O índice de alavancagem está muito alto em comparação com o mercado. Isso não é salutar".

Bendine voltou a negar que o pagamento de R$ 1,6 bilhão em dívidas com o Tesouro, um dos motivos para a queda no lucro do segundo trimestre, tenha ocorrido para ajudar o governo federal com o ajuste fiscal. "A geração de caixa é um problema do Tesouro, não da Petrobras", disse ao jornal.

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS
O presidente afirmou que não bateu à porta do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, para pedir autorização para reajustar o preço dos combustíveis no país. Segundo ele, a Petrobras tem um política de reajuste de preços e que ele não aceitará ingerência do Planalto nesse tema.

"Não peço aumento de preço para o governo de jeito nenhum. Política de preços é com a companhia. Não aceito esse tipo de interferência. O conselho [de Administração] é autônomo".

Ele classificou como especulação os rumores de que a empresa venderia campos no pré-sal como parte de seu programa de desinvestimento. Ele adotou estratégia de vender ativos não considerados estratégicos, como forma de fazer caixa e reduzir seu endividamento.

"Isso [a venda de blocos no pré-sal] é especulação. Esse é um belo ativo. Nossa joia da coroa se chama pré-sal. É onde vamos nos concentrar".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

TRAGÉDIA

Suspeito de incendiar estúdio no Japão reclamava que tinha sido plagiado

VERACIDADE INFORMAÇÕES

Canditados na lista de espera do ProUni devem comprovar informações

BRASIL

MPF pede suspensão de urgência em concurso da Polícia Rodoviária Federal

BRASIL

Revalida terá duas edições por ano

Mais Lidas