Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

Matheus Garcia

Polícia realiza reconstituição da morte do jogador de hóquei

29 SET 2017Por G113h:43

A reconstituição do crime que resultou na morte do atleta da seleção brasileira de hóquei Matheus Garcia, de 24 anos, acontecerá na tarde desta sexta-feira (29), em São Vicente, no litoral de São Paulo. A Polícia Civil quer saber qual a participação do motorista que levou o soldado da Polícia Militar Jarbas Colferai, de 23 anos, que assassinou o jovem, até o local do crime.

Matheus morreu após ser baleado na nuca na noite do dia 18 de setembro deste ano. Ele foi encontrado, ainda com vida, na Rua Nicolau Guirão Perez, onde será realizada a reconstituição nesta sexta-feira. O atleta morreu a caminho do Hospital Municipal. Matheus frequentava o último ano do curso de Publicidade e Propaganda, na Unisanta, e chegou a integrar a Seleção Brasileira, disputando campeonatos no exterior.

A hipótese de latrocínio, quando há roubo seguido de morte, foi inicialmente cogitada, mas descartada. As Imagens de câmeras de monitoramento de imóveis localizados na rua, obtidas pelo G1, mostram quando Matheus chega ao local em um carro, conduzido por um motorista de um aplicativo. Após a saída do veículo, o soldado o aborda, arranca o celular da mão dele, o faz virar de costas, colocar as mãos na cabeça, ajoelhar e, em seguida, atira na nuca do atleta.

Segundo a investigação da Polícia Civil, Jarbas montou uma armadilha para Matheus. O PM criou um perfil em uma rede social e se passou pela namorada, com quem se relacionava há quatro anos e tem um filho. Jarbas se passou pela namorada e marcou um encontro com a vítima. O PM achava que ela o traía com Matheus, o que nunca aconteceu segundo a polícia. Jarbas foi preso no dia 19 de setembro, em São Vicente, e confessou o crime.

O motorista de um aplicativo que transportou o policial militar Jarbas Colferai Neto, de 23 anos, até o local da execução, também foi preso. O pedido de prisão temporária de 30 dias foi atendido pela Justiça no dia 22 de setembro. No entendimento do juiz Rodrigo Barbosa Sales, a partir da investigação da polícia, o motorista ainda oculta informações que podem elucidar o ocorrido.

Leia Também