Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Inadimplência em queda

Pesquisa indica queda no índice de inadimplência em maio

Trata-se do sétimo recuo consecutivo do índice de inadimplência

7 JUN 17 - 11h:54G1

Pesquisa Boa Vista SCPC registra sétima queda consecutiva no índice de  inadimplência do consumidor em maio. Na passagem de abril para maio, a inadimplência caiu 3,8%. No entanto, na comparação com o mesmo mês de 2016, houve alta de 6,7%. 

Em 12 meses, o registro que mede a quantidade de pessoas com contas em atraso caiu 3,4%, segundo a pesquisa.  No acumulado do ano, há recuo de 0,2%. 

Em nota, a Boa Vista SCPC apontou que a expectativa é que a variação da inadimplência se mantenha em um ritmo estável em 2017, com os consumidores voltando a buscar crédito em meio ao cenário de pequeno crescimento econômico. “As adversidades ocorridas na economia ao longo dos últimos dois anos geraram grande cautela nas famílias, inibindo o consumo e consequentemente contribuindo para a diminuição do fluxo de inadimplência”, diz a Boa Vista. 

“Mantendo a perspectiva de pequeno crescimento da economia e renda, juros menores e inflação controlada, espera-se uma retomada sustentável da demanda de crédito, expandindo a renda disponível das famílias, fatores que deverão colaborar para a manutenção de um ritmo estável da inadimplência em 2017.” 

Quase metade dos endividados admitem atrasar parcelas

Outra pesquisa divulgada nesta quarta pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) aponta que, entre os consumidores que têm empréstimos e financiamentos em aberto, 47% admite que atrasam parcelas. 

Dos consumidores que dizem já ter atrasado parcelas, 18% afirmam que ainda não conseguiram resolver a pendência. 

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, recomenda que os consumidores avaliem com calma a necessidade de tomar um empréstimo antes de assumir a dívida. “Convém analisar a real necessidade de assumir um compromisso que, muitas vezes, só acaba depois de anos”, diz a especialista em nota. 
“Se o objetivo for o pagamento de dívidas, o consumidor deverá optar por condições mais favoráveis, com juros menores e um plano de pagamento que caiba no seu orçamento. Caso contrário, pode cair no endividamento novamente.” 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AÇÃO TRANCADA

Tragédia de Mariana: 'Inundação é crime de perigo comum', diz TRF-1

Ninguém acerta as 6 dezenas da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 105 milhões
LOTERIA

Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 105 milhões

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais
ATROFIA MUSCULAR ESPINHAL

SUS incorpora remédio contra doença rara em lista de medicamentos essenciais

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições
SENADO

CCJ mantém cota mínima de candidaturas femininas nas eleições

Mais Lidas