Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

APP

Para Dilma Rousseff, Uber 'tira empregos de taxistas'

3 SET 15 - 06h:00O DIA

emprego de muitas pessoas”.

Mal fez a declaração, depois de uma cerimônia no Palácio do Planalto, Dilma fez questão de explicar que a regulamentação não é de responsabilidade da União e deve ser discutida em cada cidade e estado.

“Não é uma coisa tranquila. Depende também da regulamentação de cada cidade, cada estado. Não é a União que decide isso. Ele tira os taxistas do seu emprego”, afirmou a presidenta. “Eu acho que o Uber é complexo porque ele tira o emprego de muitas pessoas. Ele não é uma coisa tranquila”, emendou.

A presidenta reconheceu que o aplicativo representa avanços tecnológicos e tem provocado mudanças em todo o mundo.“Você sempre tem de pesar, de ter posição mais ponderada. É obvio que tecnologia sempre produziu isso no mundo. Meu avô era seleiro, você imagina o que aconteceu com emprego dele quando apareceram os carros. A vida é assim”, disse.

O Uber chegou ao Brasil em julho de 2014 e, desde então, tem sido alvo de debate. Estados e municípios têm discutido a legalidade do aplicativo.

PROJETOS

Em julho, a Câmara de Vereadores paulistana aprovou, em primeira votação, projeto de lei que proíbe o uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para transporte remunerado de passageiros. Uma segunda votação, antes que o projeto seja remetido à sanção do prefeito Fernando Haddad (PT), está marcada para 9 de setembro.

Além de São Paulo, vereadores do Rio de Janeiro aprovaram, no final de agosto, projeto contra aplicativos de transporte, como o Uber.

O serviço de transporte funciona por meio de um aplicativo no qual passageiro e motorista se cadastram. O primeiro recruta o segundo pelo smartphone, assim como acontece com os aplicativos de táxi.O funcionamento é parecido ao de um táxi.

CPMF deve voltar à pauta

Dois dias depois de apresentar uma proposta de Orçamento deficitária, a presidenta Dilma Rousseff disse que não gosta da CPMF, mas que não afasta a possibilidade de o governo precisar de novas fontes de Receita. Ela afirmou ainda que enviará adendos ao texto do Orçamento.

“Não gosto da CPMF. Acho que a CPMF tem suas complicações. Mas não estou afastando a necessidade de fontes de receita, não estou afastando nenhuma fonte de receita. Quero deixar isso claro para depois, se houver a hipótese de a gente enviar essa fonte, nós enviaremos”, afirmou Dilma.

A presidenta também saiu em defesa do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Segundo ela, o ministro não está nem desgastado nem isolado. E comparou o governo a uma família, instituição que, de acordo com Dilma, nem sempre concorda, mas senta para debater os problemas. Ela afirmou que o governo não fugirá da responsabilidade de resolver o déficit, mas pediu união de todos para buscar uma solução.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

EDUCAÇÃO

MEC contrata gráfica para a realização do Enem 2019

AVIAÇÃO

Anac deve aprovar autorização para Air Europa operar voos domésticos no País

BRASIL

Bolsonaro preside hoje reunião de ministros no Palácio da Alvorada

INSCRIÇÕES FINALIZADAS

Enem: candidatos sem isenção têm até quinta-feira para pagar inscrição

Mais Lidas