Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Internacional

Papa faz novo apelo por 'solução pacífica' na Venezuela

2 JUL 17 - 13h:20Agência Ansa

O papa Francisco lançou neste domingo (2) um forte apelo para que se encontre uma "solução pacífica e democrática" para a crise no país devido a repressão das forças de segurança e de grupos paramilitares contra manifestantes na Venezuela.

O líder da Igreja Católica lembrou da situação na nação latina por conta da Festa da Independência da Venezuela, que será celebrada no dia 5 de julho, em meio aos conflitos que deixaram o país à beira de uma guerra civil.

"Asseguro minhas orações para essa nação tão cara a mim e exprimo minha proximidade às famílias que perderam seus filhos nas manifestações. Faço um apelo para que se coloque fim à violência e se encontre uma solução pacífica e democrática para a crise", disse o Papa no Ângelus deste domingo.

Francisco tem demonstrado bastante preocupação com a situação da Venezuela ao longo dos últimos meses, mas, ao contrário do que ocorreu na Colômbia e na reaproximação entre Cuba e Estados Unidos, o Vaticano não tem conseguido o mesmo sucesso no papel de mediador.

Em junho passado, o presidente Nicolás Maduro enviou uma carta pedindo a ajuda do Pontífice para buscar uma solução para a crise política, uma semana depois de o líder católico ter recebido bispos venezuelanos no Vaticano.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CÂMARA DOS DEPUTADOS

Maia prevê votação de PEC sobre prisão em 2ª instância em março

PRESIDENTE DA CCJ

Por 2ª instância, Simone Tebet propõe votar pacote anticrime da Câmara este ano

TCU libera lagosta e vinhos importados no menu do STF
SOFISTICAÇÃO

TCU libera lagosta e vinhos importados no menu do STF

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet
BRASÍLIA

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião