Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

REINO UNIDO

Pais de Charlie Gard querem que bebê morra em casa; hospital tenta impedir

25 JUL 17 - 15h:25Folhapress

Após encerrarem a batalha judicial por um tratamento experimental, os pais de Charlie Gard afirmaram nesta terça-feira (25) que querem que o bebê morra em casa, mas que o hospital Great Ormond Street, em Londres, cria obstáculos para que isso não aconteça.

"Estamos lutando contra as dificuldades que o hospital está colocando no caminho dos pais de terem um pequeno tempo [com o bebê] antes do ato final da curta vida de Charlie", disse o advogado da família, Grant Armstrong.

O hospital informou à Alta Corte de Londres que Charlie não pode ser levado para casa. De acordo com uma advogada do Great Ormond Street, a entidade gostaria de realizar o desejo dos pais de Charlie, Chris Gard e Connie Yates, "se fosse prático". Ela afirmou que o casal rejeitou uma oferta de mediação.

Documento divulgado pelo Great Ormond Street afirma que o equipamento de ventilação de que Charlie precisa só poderia ser fornecido em um hospital. De acordo com o texto, Charlie requer um tratamento "altamente especializado, que não pode ser simplificado".

"O plano de cuidado precisa privar Charlie de toda a dor e precisa proteger sua dignidade. Ao mesmo tempo, precisa honrar os desejos de seus pais sobre suas questões em particular, especificamente o tempo e o lugar de seu falecimento", diz o documento elaborado por advogados do hospital.

Nesta segunda (24), os pais do menino, Chris Gard e Connie Yates, abandonaram a disputa para levar Charlie a um tratamento nos Estados Unidos e passaram a discutir com o hospital sobre como e quando as máquinas que o mantêm vivo serão desligadas.

Tribunais alegam que a ida aos EUA apenas prolongaria o sofrimento do bebê.

O sofrimento do bebê de 11 meses, que tem uma condição genética rara que causa o enfraquecimento progressivo de seus músculos e danos cerebrais, causa comoção em todo o mundo. Figuras públicas como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o papa Francisco se manifestaram sobre o assunto.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre
BRASIL

Júri condena dois acusados de atacar judeus em 2005 em Porto Alegre

BRASIL

Brumadinho: sobe para 212 o número de mortos identificados em tragédia

BRASIL

Bolsonaro e Piñera rejeitam intervenção militar na Venezuela

BRASIL

Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento

Mais Lidas