AFASTAMENTO

Oposição quer apresentar pedido de impeachment de Dilma em 15 dias

A iniciativa é encabeçada por lideranças da oposição
09/09/2015 20:15 - FOLHAPRESS


A oposição da Câmara pretende apresentar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff em 15 dias, afirmam parlamentares. Esse é o prazo que deputados à frente do movimento favorável ao afastamento da petista acreditam precisar para garantir apoio suficiente para fazer a proposta caminhar.

A intenção é apresentar o pedido ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a quem cabe dar andamento à ação. Caso ele indefira, o que já estaria pré-acordado entre a oposição e o deputado, cabe recurso ao plenário, a quem caberia definir se acata ou não o pedido de afastamento da presidente Dilma.

O primeiro passo dessa estratégia é movimento pró-impeachment, que será lançado na manhã desta quinta-feira (10). Haverá um site interativo e uma petição eletrônica.

A iniciativa é encabeçada por lideranças da oposição -o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), deu aval à ação-, mas conta também com apoio de integrantes de partidos da base aliada, especialmente do PMDB, partido do vice-presidente, Michel Temer.

A ideia do grupo é tomar por base o pedido de impeachment de um dos fundadores do PT, Hélio Bicudo, protocolado na Câmara semana passada.

O embasamento jurídico seria complementado pelo jurista Miguel Reale Jr., e assinado por um parlamentar. O nome mais cotado até o momento para assumir a coautoria da proposta é o deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG).

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".