Campo Grande - MS, quarta, 22 de agosto de 2018

Extração ilegal

Operação Anhanga Arara apura extração ilegal de madeiras nobres no Pará

4 OUT 2017Por Istoé20h:19

A Polícia Federal deflagrou hoje (4) a Operação Anhanga Arara para combater a extração ilegal de madeiras nobres na Terra Indígena (TI) Cachoeira Seca, no oeste do Pará, por madeireiras clandestinas.

A Polícia Federal estima que os danos ambientais podem ultrapassar os R$ 547 milhões – referente exclusivamente às atividades madeireiras – e mais de R$ 322 milhões – referente aos produtos florestais extraídos ou destruídos durante a operação.

Estão sendo cumpridos dez mandados de condução coercitiva, 11 mandados de sequestro de bens e valores, seis mandados de busca e apreensa o e a suspensa o das atividades das empresas envolvidas no esquema criminoso.

Aproximadamente 40 policiais federais participam da operação nas cidades paraense de Uruara , Placas, Ruro polis, Santare m, Castelo dos Sonhos, Altamira; além de Porto União, em Santa Catarina; e Curitiba e União da Vitória, no Paraná

As investigac a os comec aram apo s divulgação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) de que a TI Cachoeira Seca estava sendo alvo de madeireiras clandestinas.

Foi identificado, então, um grupo empresarial composto por familiares, sendo o patriarca o responsável pela coordenação da extração ilegal de madeira em a reas protegidas e por escoar a madeira para empresas do grupo.

Para burlar a fiscalizac a o e dar legalidade a madeira, o grupo fraudava cre ditos florestais por meio de inserc a o de dados falsos no Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora), ale m de utilizar planos de manejo florestal falsos.

A madeira era transportada entre empresas do grupo até ser exportada por meio dos portos de Belém e do Sul do Brasil, como os de Itajaí e Paranaguá .

O destino da madeira eram países no continente americano (Estados Unidos, Panamá, Argentina), Europa (França, Reino Unido, Alemanha) e Ásia (Emirados Árabes Unidos, Coreia do Sul).

O nome da operação, Anhanga Arara, significa proteção a morada dos índios. Anhanga é o espírito protetor da natureza, figura pertencente ao folclore indígena, enquanto Arara são os povos indígenas que habitam a terra indígena.

A TI Cachoeira Seca foi homologada pelo governo federal em abril do ano passado e destinou a posse permanente e o usufruto exclusivo da área aos índios Arara.

O território de mais 730 mil hectares está localizado ao norte de uma região conhecida como Terra do Meio e faz parte de um dos “mais importantes corredores de áreas protegidas da Amazônia”.

A demarcação de uma terra para os Arara era umas das condicionantes para a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu. A etnia foi considerada grupo vulnerável pelos estudos de impacto da usina, segundo parecer técnico da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também