Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

MUNDO

ONU decide que Rússia tem de soltar navios ucranianos detidos em novembro

Três embarcações deverão ser liberadas imediatamente

25 MAI 19 - 10h:18Estadão Conteúdo

O Tribunal Internacional para a Lei do Mar da Organização das Nações Unidas (ONU) decidiu hoje que a Rússia tem de libertar imediatamente três embarcações navais ucranianas capturadas em novembro do ano passado e, também, soltar os 24 marinheiros detidos.

A decisão foi proferida na sede da corte, em Hamburgo, na Alemanha, na esteira de uma audiência realizada no início do mês A Rússia não compareceu nem à audiência nem à sessão deste sábado.

O presidente recém-eleito da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, disse que Moscou poderia emitir um sinal de "real disposição para parar o conflito com a Ucrânia" ao cumprir a ordem. A Rússia não especificou imediatamente como reagiria, mas deixou claro que ainda acredita que o tribunal é o espaço errado para lidar com a disputa.

O confronto no Estreito de Kerch, que liga o Mar de Azov ao Mar Negro, tornou-se um marco no crescente conflito em torno da anexação da Península da Crimeia pela Rússia em 2014. Moscou se apoderou da Crimeia em um ato que a Ucrânia e a maior parte da comunidade internacional veem como ilegal.
 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Carga recorde de maconha adesivada com símbolo do Palmeiras é apreendida
CINCO TONELADAS

Carga recorde de maconha adesivada com símbolo do Palmeiras é apreendida

Universidades da Europa, Canadá e EUA usam Enem na seleção de alunos
EDUCAÇÃO

Universidades da Europa, Canadá e EUA usam Enem na seleção de alunos

HOMICÍDIO DOLOSO

STM mantém condenação de ex-soldado da FAB por assassinato de sentinela

Ex-militar atirou em um colega de farda no dia 23 de setembro de 2017
IMPOSTO

Argentina dobra valor de indenização por demissão

Ainda não se sabe como as empresas receberão a notícia

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião