COLÔMBIA

Odebrecht pagou R$ 87,9 milhões em propina na Colômbia, diz procurador

Odebrecht pagou R$ 87,9 milhões em propina na Colômbia, diz procurador
26/07/2017 08:06 - FolhaPress


O procurador-geral da Colômbia, Néstor Humberto Martínez, disse nesta terça-feira (25) que a Odebrecht pagou 84 bilhões de pesos (R$ 87,9 milhões) em propina no país -quatro vezes mais que a primeira estimativa.

Segundo Martínez, o valor foi atualizado após depoimentos de políticos e executivos da construtora brasileira. Não estavam na primeira relação, por exemplo, o pagamento para liberar um aditivo na obra de uma estrada.

O dinheiro teria sido pago por cinco empresas colombianas e estrangeiras. Quatro senadores e um ex-senador, dos quais quatro aliados do presidente Juan Manuel Santos, foram acusados de corrupção e tráfico de influência.

Quatro ex-funcionários do consórcio responsável pela obra e um integrante de uma das empresas intermediárias responderão por lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A Promotoria ainda pediu a captura internacional de três executivos brasileiros da Odebrecht: Eder Paolo Ferracuti, Márcio Marangoni e Amilton Ideaki Sendai.

Em acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, divulgado em dezembro, a empreiteira havia afirmado ter pago US$ 11 milhões (R$ 34 milhões) a políticos na Colômbia, incluindo propina e doações de campanha.

Os procuradores haviam calculado o montante em 21 bilhões de pesos. Dentre os beneficiados estariam os comitês eleitorais de Santos de 2010 e de 2014 e o do opositor Óscar Iván Zuluaga, aliado do ex-presidente Álvaro Uribe.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".