COMUNICADO

Obama decreta três dias de oração em homenagem às vítimas do 11 de setembro

Obama decreta três dias de oração em homenagem às vítimas do 11 de setembro
11/09/2015 10:03 - AGÊNCIA BRASIL


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, decretou três dias nacionais de oração em homenagem às vítimas do atentado de 11 de setembro de 2001 em Nova Iorque e em Washington.

“Eu, Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, em virtude da autoridade que me confere a Constituição e as leis dos Estados Unidos, proclamo, sexta-feira, 11, até domingo, 13 de setembro, três dias de oração em comemoração nacional”, indicou, por meio de comunicado.

“Peço aos norte-americanos que honrem e recordem as vítimas do 11 de setembro de 2001 e seus entes queridos por meio de orações, contemplação, memoriais, visitas a locais de homenagem, do tocar dos sinos, vigílias a luz de velas e outras cerimônias e homenagens apropriadas,” disse.

O presidente dos Estados Unidos lembrou que há 14 anos, a paz de uma bonita manhã foi quebrada. “Os acontecimentos de 11 de setembro de 2001 deixaram uma marca no espírito de todos os norte-americanos e a nossa nação mudou para sempre. Perderam-se quase 3 mil valiosas vidas e seus entes queridos tiveram de enfrentar um sofrimento inimaginável”, indicou Obama.

No dia 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos sofreram o pior ataque terrorista de sua história, quando dois aviões sequestrados pela Al-Qaida se chocaram contra as Torres Gêmeas, em Nova Iorque, e outro contra o Pentágono, em Washington, enquanto um quarto avião caiu na Pensilvânia.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".