Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 15 de dezembro de 2018

chamas

Número de mortes por incêndios
na Califórnia chega a 35

14 OUT 2017Por FOLHAPRESS13h:16

O número de mortos nos incêndios na Califórnia já chega a 35 e os bombeiros seguem tentando progredir na contenção dos focos de incêndio, embora os ventos intensos e velozes ainda preocupem.

"Nós não saímos do estado de emergência, nem perto disso", disse Mark Ghilarducci, diretor do Serviço de Emergência do gabinete do governador. "Porém, estamos vendo algum progresso em áreas já atingidas pelo incêndio."

O número de mortos subiu com a localização do corpo de um menino de 14 anos próximo a sua casa no condado de Mendocino. "Parece que tentava fugir quando foi cercado pelas chamas", disse o gabinete do xerife de Mencocino ao "Daily Journal".

O chefe dos bombeiros da Califórnia, Ken Pimlott, declarou que mais de 9.000 bombeiros estavam tentando conter 17 focos de incêndio que, juntos, já consumiram um total de 89.700 hectares desde o último domingo (8).

"Três pequenos focos de incêndio foram controlados", afirmou ele, e "conseguimos conter alguns dos maiores focos".

Pimlott acrescentou que o trabalho de controle realizado pela equipe de bombeiros pode se tornar complicada com o aumento dos ventos durante a madrugada, que poderão atingir a velocidade de até 72 quilômetros por hora.

Ele ressaltou que pode levar semanas até que os investigadores consigam chegar a uma conclusão a respeito da causa desse incêndio, que até o momento já é considerado o que mais causou mortes em toda a história da Califórnia.

O incêndio ocorrido no Griffith Park, Los Angeles, em 1933 matou ao menos 29 pessoas, e, posteriormente, 25 pessoas morreram em 1991, no incêndio em Oakland Hills.

Até agora, mais de 5.700 residências e locais de trabalho foram consumidos pelas chamas por toda a região.

VEJA VÍDEO DO GUARDIAN WIRES

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também