Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Famílias endividadas

Número de famílias endividadas cai 1,2% em junho

Apesar da segunda queda mensal do porcentual de famílias endividadas, a proporção das famílias com dívidas ou contas em atraso teve aumento, alcançando 24,3% em junho

29 JUN 17 - 14h:01Istoé

O porcentual de famílias endividadas alcançou 56,4% em junho de 2017, uma queda de 1,2 ponto porcentual ante maio, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta quinta-feira, 29, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). É o segundo recuo consecutivo do indicador, que ficou abaixo dos 58,1% observados no mesmo período do ano passado.

“A redução recente dos indicadores que apontam o porcentual de famílias endividadas sinaliza um ritmo ainda fraco de concessão de empréstimos e financiamentos para as famílias, bem como a redução na margem do custo de crédito”, explica em nota a economista da CNC, Marianne Hanson.

Inadimplência em alta

Apesar da segunda queda mensal do porcentual de famílias endividadas, a proporção das famílias com dívidas ou contas em atraso teve aumento, alcançando 24,3% em junho, ante 24,2% em maio e 23,5% em junho de 2016.

A parcela de famílias que declararam não ter como pagar as dívidas, permanecendo inadimplentes, teve leve aumento na comparação mensal. Foram 9,6% em junho, ante 9,5% em maio. Na comparação anual, o indicador também cresceu 0,5 ponto porcentual. Segundo a CNC, o custo elevado do crédito e o patamar ainda alto do desemprego vêm impactando a capacidade das famílias pagarem as contas em dia.

Embora a proporção de famílias que se declararam muito endividadas tenha registrado leve alta na comparação mensal – de 13,7% para 13,8% -, na comparação anual houve queda de 1,2 ponto porcentual.

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas em junho de 2017 foi de 62,8 dias, superior aos 62,4 dias de junho de 2016. Em média, o tempo de comprometimento com as dívidas foi de 7,1 meses, sendo que 32,9% das famílias possuem dívidas superiores a um ano. Entre aquelas endividadas, 21,4% afirmam ter mais da metade da sua renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.

Para 76,9% das famílias com dívidas o cartão de crédito permanece como a principal forma de endividamento, seguido de carnês (15,2%), crédito pessoal (11,1%) e financiamento de carro (10,1%).

A Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic Nacional) é apurada mensalmente pela CNC desde janeiro de 2010. Os dados são coletados em todas as capitais dos Estados e no Distrito Federal, com cerca de 18.000 consumidores.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

NOVE MORTOS

Moro responde a Maia sobre Paraisópolis: 'Não podemos confundir as coisas'

STF: candidatura avulsa pode ser votada no 1º semestre, diz Barroso
BRASIL

STF: candidatura avulsa pode ser votada no 1º semestre, diz Barroso

Comissão da PEC da prisão em 2ª instância 'já nasce dividida', diz Fábio Trad
BRASÍLIA

Comissão da PEC da prisão em 2ª instância 'já nasce dividida', diz Fábio Trad

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV
SEU BOLSO

Carnes podem continuar subindo até fim de janeiro ou início de fevereiro, diz FGV

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião