INTERNACIONAL

Naufrágio próximo à ilha grega deixa dez mortos, entre eles uma criança

Naufrágio próximo à ilha grega deixa dez mortos, entre eles uma criança
13/09/2015 13:34 - FOLHAPRESS


Três pessoas morreram neste domingo (13), entre elas uma criança, no naufrágio de uma embarcação com refugiados próximo à ilha grega de Farmakonisi, no mar Egeu, perto do litoral da Turquia.

Segundo a Guarda-Costeira grega, após receber um alerta de auxílio, foi acionada uma operação que permitiu resgatar do mar 68 pessoas, enquanto outras 29 conseguiram chegar nadando à praia de Farmakonisi.

É o terceiro naufrágio com mortos durante o fim de semana. No sábado (12), quatro menores desapareceram depois que uma embarcação de plástico virou nas proximidades de Samos.
A primeira-ministra interina Vassiliki Thanou classificou as críticas à Grécia, que é uma das linhas de frente na onda de imigrantes que tentam chegar à Europa, como " inaceitáveis" .

"A Grécia tem aplicado rigorosamente tratados europeus e internacionais sem ignorar a questão humana ", disse ela em uma visita a Lesbos, uma das ilhas que tem visto um fluxo grande de refugiados.

A onda de imigração que atinge a Europa foi motivo de várias manifestações no continente.
Portugal, Grécia, Polônia e Hungria, entre outros, tiveram atos a favor e contrários à acolhida de refugiados e imigrantes, após a União Europeia determinar a cada país que receba um determinado número de refugiados.

O número é calculado levando em consideração a situação econômica do país e o número de refugiados já acolhidos.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".