Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

INTERNACIONAL

Morre o pai do bebê que morreu em incêndio de radicais judeus

Dois radicais lançaram um coquetel molotov que incendiou a casa da família e matou o bebê

9 AGO 2015Por FOLHAPRESS04h:00

Said Dawawsha, pai do bebê palestino morto na semana passada após um incêndio em sua casa provocado por colonos extremistas judeus, sucumbiu neste sábado a seus ferimentos, informou a imprensa local.

Dawabsha, de 32 anos, tinha queimaduras de segundo grau em 80% de seu corpo e estava sendo atendido no Centro Médico Soroka, na cidade israelense de Bersheva.

Sua mulher, Rihan, de 27 anos, tem queimaduras de terceiro grau em 90% de seu corpo e respira com a ajuda de aparelhos, enquanto seu filho Ahmed, de quatro anos, sofreu queimaduras de segundo grau em 60% do corpo. Ambos estão no hospital Tel Hashomer de Tel Aviv e ainda correm risco de morte.

No ataque, ocorrido na madrugada do último dia 31 de julho e classificado pelas autoridades israelenses como "terrorismo judeu", dois colonos radicais lançaram um coquetel molotov que incendiou a casa da família imediatamente e matou o bebê Ali, de 18 meses.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também