Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Chilenos festejam

Morre no Chile Manuel Contreras, temido chefe
da polícia de Pinochet

8 AGO 15 - 08h:26G1

Manuel Contreras, general do Exército chileno e diretor da temida polícia política da ditadura de Augusto Pinochet, morreu na noite desta sexta-feira (7), aos 86 anos, em um hospital de Santiago.

Contreras, condenado a mais de 500 anos de prisão por múltiplos casos de tortura, desaparecimento e sequestro de opositores, morreu por volta das 22h30 local, no Hospital Militar de Santiago.

O militar, considerado um dos maiores criminosos da história do Chile, sofria de câncer e diabetes e teve seu estado de saúde agravado nos últimos dias, como informa a agência AFP.

"Era um dos homens mais desprezíveis do Chile (...), matou muita gente", disse na Televisão Nacional o advogado dos direitos humanos Roberto Garretón.

Considerado a "mão direita" de Pinochet - seu professor na Academia de Guerra e com quem tomava café da manhã nos primeiros anos do regime -, Contreras dirigiu a temida Direção Nacional de Inteligência (Dina), a polícia política que vitimou mais de 3.200 opositores, entre mortos e desaparecidos, durante a ditadura (1973-1990). Ele começou a organizar a Dina antes do golpe militar com o qual Pinochet derrubou Salvador Allende

Contreras morreu sem cumprir os mais de 500 anos de prisão a que estava condenado em dezenas de julgamentos por violações de direitos humanos, mas com seu grau de general e sem ter se arrependido de seus crimes.

Ele nunca reconheceu nada e, quando as evidências apontavam sua responsabilidade, culpava outras pessoas, até mesmo o próprio Pinochet, a quem em seus últimos anos acusou de ter enriquecido com o narcotráfico.

Como reporta a agência EFE, também acusou Pinochet de ser o verdadeiro chefe da Dina, alegando que ele só cumpria suas ordens. Contreras ainda atribuiu crimes da Dina à CIA (agência de inteligência dos Estados Unidos), entre eles alguns emblemáticos, como o homicídio do ex-chanceler Orlando Letelier, cometido em Washington, em 1976, e o do general Carlos Prats, antecessor de Pinochet no comando do exército, morto em 1974 em Buenos Aires.

Contreras foi sentenciado no Chile a sete anos de prisão pelo crime de Letelier e a dupla prisão perpétua pelo homicídio de Prats, que morreu junto a sua esposa, Sofía Cuthbert.
Segundo Contreras, o autor material de ambos assassinatos, o americano Michael Townley, era na realidade um agente da CIA.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Tribunal da Lava Jato bloqueia bens do MDB e do PSB

Mantega virá réu na Justiça Federal por fraudes de R$ 8 bi no BNDES
EX-MINISTRO DA FAZENDA

Mantega virá réu na Justiça Federal por fraudes de R$ 8 bi no BNDES

SÃO PAULO

Mãe se joga de prédio após supostamente atirar filha pela janela do 5º andar

EDUCAÇÃO

ProUni abre inscrições no dia 11 de junho para bolsas no 2º semestre

Mais Lidas