JBS

Ministro envia à PF pedido de Gilmar para investigar citação em revista

A PF ainda não se manifestou sobre a solicitação feita por Torquato Jardim
09/09/2017 07:45 - FOLHAPRESS


 O ministro da Justiça, Torquato Jardim, informou que enviou à Polícia Federal pedido do ministro Gilmar Mendes (Supremo Tribunal Federal) para investigar citações ao nome dele relacionadas à JBS e que apareceram em reportagem da revista "Veja" desta semana.

"Solicito imediata instauração de investigação a respeito das declarações constantes na referida matéria, para que assim fiquem desde logo esclarecidos os fatos e as circunstâncias em que prestadas", diz Gilmar, em ofício enviado ao ministro da Justiça.
A PF ainda não se manifestou.

Reportagem da revista "Veja" trouxe a transcrição de uma suposta conversa entre a advogada da JBS Renata Araújo e seu então marido, Pedro Bettim Jacobi, responsável pela gravação. Jacobi, que está em um processo de separação litigioso com Renata, entregou ao Ministério Público dados do celular e de um HD da ex-mulher, segundo a matéria.

Na conversa com Jacobi, Renata afirma que recebeu apelos de Dalide Corrêa, ex-braço direito de Gilmar Mendes no IDP (Instituto Brasiliense de Direito Público), para que não viesse à tona alguma informação comprometedora para ela e o ministro do STF.

O material também conta com diálogos entre Renata e Francisco de Assis e Silva, diretor jurídico da JBS, nos quais traçam estratégias ilícitas para obter decisões jurídicas favoráveis à empresa, inclusive pagamentos em espécie. São citados nas conversas pelo menos três ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e a mãe de Renata, desembargadora federal.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".