Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

NO TWITTER

Ministro critica Macron: 'calhorda' oportunista buscando apoio do lobby agrícola

Weintraub disse que os franceses estão enfrentando mesmas ameaças que brasileiros

25 AGO 19 - 14h:01ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, criticou o presidente da França, Emmanuel Macron, em sua página no Twitter.

"A França é uma nação de extremos. Gerou homens como Descartes ou Pasteur, porém também os voluntários da Waffen SS Charlemagne País de iluministas e de comunistas. O Macron não está à altura deste embate. É apenas um calhorda oportunista buscando apoio do lobby agrícola francês."

Em meio aos incêndios na Amazônia, Macron disse, na sexta-feira (23), que se oporá ao acordo de livre comércio entre Mercosul e a União Europeia porque o presidente Jair Bolsonaro teria mentido quando minimizou as preocupações sobre a mudança climática na reunião do G20, em junho. 

Weintraub ainda disse que os franceses elegerem uma governante "sem caráter", mas que "isso nós também já fizemos". "O Brasil também já elegeu governantes que chamavam facínoras como o Kadafi de irmão, acolhia terroristas e criticava injustamente democracias. Itália, EUA, Israel foram inúmeras vezes ofendidos. Lembrem que já fomos um anão diplomático. 'Ferro' neste Macron, não no povo francês."

Segundo o ministro, os franceses estão enfrentando as mesmas ameaças globais que os brasileiros, mas em estágio mais avançado de dominação. "Não se trata de dizer que a França é um país que amamos odiar ou odiamos amar.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

AGORA É LEI

Agressor de mulher será obrigado a ressarcir custos do SUS

ROMPIMENTO DE BARRAGEM

Polícia apresentará em breve acusações criminais por Brumadinho

BRASIL

Bolsonaro sanciona lei que amplia porte de arma na zona rural

BRASIL

Gilmar pretende levar suspeição de Moro para julgamento até novembro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião