Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL

Ministério da Saúde descarta caso de coronavírus no RJ

Ministério da Saúde descarta caso de coronavírus no RJ
27/01/2020 13:04 - AGÊNCIA BRASIL


O Ministério da Saúde informou hoje (27) que o caso de um paciente internado no Hospital Icaraí, em Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro, com suspeita de contaminação por coronavírus, não se enquadra na atual definição da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o NCOV-2019 (o novo coronavírus).

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, o paciente, no entanto, continuará sendo acompanhado. “Seguirá, portanto, o fluxo de procedimentos para influenza e, desta forma, estabelecer seu diagnóstico apropriado”, diz a nota.

A Fundação Municipal de Saúde, da prefeitura de Niterói, informou que monitorava o homem com a suspeita de contaminação e que, de acordo com os protocolos, todas as medidas necessárias foram tomadas pelo município. “No momento, o paciente está estável”, informa a fundação.

Navio no Porto de Santos

Em comunicado publicado no domingo (26), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que "não há quaisquer elementos que justifiquem preocupações" em relação ao navio KM Singapore, atracado no Porto de Santos. De acordo com a agência, informações que vem sendo divulgadas em redes sociais relacionado o navio com o coronavírus são "especulações".

"O navio não é procedente da China e fez suas últimas escalas em portos da África do Sul, Índia e Singapura. Não há qualquer tripulante doente, conforme atestaram a fiscalização da Anvisa que esteve a bordo e o próprio comandante da embarcação. O relatado uso de máscaras e luvas pelos tripulantes chineses deve-se às condições de trabalho exigidas, já que se trata de um navio que transporta grãos", informou o posto portuário da Anvisa em Santos.

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.