Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

PREVIDÊNCIA

Meirelles nega chance de mulher
se aposentar com 60 anos

23 JUN 2017Por Folhapress20h:00

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu nesta sexta-feira (23) discutir mudanças na reforma da Previdência. "Pode haver ajustes de cronograma e de negociação", disse ao responder pergunta da plateia durante evento na Amcham.

"Mas não adianta fazer uma reforma que cria necessidade de daqui a alguns anos se fazer outra", ressaltou.
Meirelles afirmou que o ponto crítico da negociação é a comissão especial e que a proposta revisada representa hoje um ganho fiscal de cerca de 75% da proposta original.

O ministro negou a possibilidade de redução da idade mínima para as mulheres para 60 anos.
No discurso feito por Meirelles durante o evento, a reforma da Previdência pareceu perder o protagonismo para a reforma trabalhista.

Falando muito sobre a importância da reforma trabalhista, ele disse que o texto vai passar pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado e as perspectivas são positivas, independentemente dos resultados obtidos na Comissão de Assuntos Sociais, onde foi rejeitada.

A reforma trabalhista, disse, reduz custos e empodera o trabalhador ao estabelecer a primazia do negociado sobre o legislado.

Segundo Meirelles, com as reformas, o PIB potencial (a capacidade de a economia crescer sem pressionar a inflação) pode chegar a 3,5%. "O fato relevante é que as reformas continuam sendo discutidas."

CRISE POLÍTICA

Meirelles minimizou a "batalha política das manchetes" e lembrou que há todo um trabalho sendo feito, inclusive de mudanças microeconômicas.

Segundo ele, a situação vai ser resolvida e a crise política não deve permanecer por período muito prolongado. Há, afirmou, um rito judicial e um rito legislativo muito claros.

"O procurador tem que se pronunciar, o assunto vai ser votado pela Câmara dos Deputados, que aceita ou não." A expectativa do governo, afirmou, é que tenha votos suficientes e a Câmara não aceite o prosseguimento de eventual denúncia contra o presidente. Depois disso, a incerteza estará superada e os índices econômicos serão retomados.

DADOS ECONÔMICOS FAVORÁVEIS

Meirelles citou dados favoráveis da economia como a correlação positiva entre índices de confiança e o PIB da indústria da transformação e o volume constante de investimento direto no país. Além da queda da inflação e o aumento do poder de compra, descontada a inflação.

Segundo ele, a taxa de desemprego deve começar a cair do meio para o fim do terceiro trimestre do ano.
"Tudo mostra a capacidade de reação da economia brasileira", disse.

Ele voltou a dizer que a economia deve crescer a um ritmo de 2,7% no quarto trimestre contra igual período do ano passado, e 3,2% em relação ao terceiro trimestre imediatamente anterior.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também