Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SUS

Mandetta terá dificuldade de implantar terceiro turno nos postos públicos

Promessa do ministro, turno extra esbarra em altos custos

12 JAN 19 - 12h:30FOLHAPRESS

A criação de um terceiro turno em postos de saúde, uma das principais propostas do ministro Luiz Henrique Mandetta (Saúde) para o SUS, trará custos adicionais às prefeituras em um cenário de congelamento de gastos federais no setor.

Hoje, os municípios já investem, em média, 24,5% do orçamento em saúde, mais de 60% acima do que Constituição estabelece (15%).

Ainda não há cálculo do impacto da proposta nas prefeituras, mas, para o Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde) e especialistas, haverá muita dificuldade de implantá-la sem recursos federais adicionais.

"Alguns municípios já comprometem 35% da receita, e muitos estão diminuindo equipes, reduzindo horários e até fechando serviços", diz Mario Scheffer, professor de saúde preventiva da USP.

Durante a campanha, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que não aumentaria a verba do SUS por julgar que há dinheiro suficiente. Questionado, Mandetta disse na sexta (11), por meio da assessoria de imprensa, que poderá haver recurso extra.

A proposta do ministro é inspirada em uma experiência de Porto Alegre (RS), que tem três postos de saúde funcionando até as 22h, com a promessa de mais cinco até o fim do ano. O município tem 141 unidade de saúde, a maioria aberta das 8h às 17h.

Segundo o prefeito Nelson Marchezan Jr., (PSDB), a mudança envolveu gastos extras principalmente com novos médicos, a maioria terceirizados. O custo do horário expandido é de R$ 100 mil mensais por unidade. A verba da saúde municipal é de R$ 1,8 bilhão.

"É uma necessidade das pessoas que trabalham até as 18h e, antes, procuravam as emergências dos hospitais para problemas que poderiam ser resolvidos na atenção básica."

Após a implantação do terceiro turno, há dois anos, casos menos complexos, que antes respondiam por 77% dos atendimentos nas emergências, representam agora 69%.

Na terça (9), a reportagem acompanhou o atendimento nos postos com horário estendido. Além de consultas e exames laboratoriais, eles oferecem vacinas, testes rápidos para HIV e hepatites, por exemplo, e tratamento odontológico.

Diabético e hipertenso, o taxista Enio Machado, 56, diz que não precisa mais faltar no trabalho para ir ao médico ou adiar a ida por falta de tempo. "Encerrei as corridas às 17h30, passei com o médico, peguei os remédios e estou indo embora", disse às 19h10.

O terceiro turno tem se mostrado mais resolutivo: 87% dos pacientes têm as queixas resolvidas, contra 83% no período diurno. Mesmo com carga horária menor à noite, o número de consultas por médico é praticamente igual ao do dia.

"Durante o dia, há absenteísmo e reuniões de equipe intermináveis", diz Pablo Stürmer, secretário da saúde.
Os problemas crônicos da atenção básica, porém, também aparecem nas falas dos pacientes. De 15 ouvidos pela reportagem, 8 já tinham passado durante o dia em outros postos, sem conseguir atendimento.

A dona de casa Marta Borges, 53, sentiu-se mal por volta das 12h e foi ao posto mais próximo de casa, mas não havia médico. Às 20h15, com falta de ar e dor no peito, procurou o centro de saúde do bairro da Tristeza, a 15 km de onde mora. A pressão arterial estava bem alta (17 por 10).

Às 20h50, ela já tinha se consultado com o médico, feito exames e sido medicada. Por volta das 21h30, com a pressão normalizada, foi dispensada.

A resolubilidade dos postos com horário noturno tem levado muita gente a procurá-los com horas de antecedência. O atendente Kevin Brendow, 22, foi a um deles às 15h30 com diarreia e vômito e pegou uma ficha com agendamento para as 20h40. "É melhor do que ir para uma emergência. Lá já esperei 24 horas."

Segundo Stürmer, a secretaria está atenta a esses gargalos e tem buscado soluções, como limitar o horário de reuniões de equipes a duas horas por semana e determinar que os postos abram vagas diárias para consultas não agendadas.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CÂMARA DOS DEPUTADOS

Maia prevê votação de PEC sobre prisão em 2ª instância em março

PRESIDENTE DA CCJ

Por 2ª instância, Simone Tebet propõe votar pacote anticrime da Câmara este ano

TCU libera lagosta e vinhos importados no menu do STF
SOFISTICAÇÃO

TCU libera lagosta e vinhos importados no menu do STF

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet
BRASÍLIA

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião