Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

ONU:

Mais de 220 mil migrantes atravessaram o Mediterrâneo até julho

6 AGO 15 - 23h:00AGÊNCIA BRASIL

Mais de 220 mil migrantes e refugiados atravessaram o Mediterrâneo em direção à Europa no período de janeiro a julho, informou hoje (6) a Organização das Nações Unidas (ONU), um dia depois de mais um naufrágio que pode ter provocado mais de 200 mortes.

"O que temos à porta da Europa é uma crise de refugiados", afirmou o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), William Spindler, em declaração enviada por e-mail à agência AFP.

Segundo ele, até o final de julho, aproximadamente 224 mil refugiados e migrantes chegaram à Europa pelo mar.

No início de julho, o Acnur informou que já tinha sido atingido um recorde de migrantes no primeiro semestre do ano: 137 mil pessoas.

O porta-voz destacou que quase todas essas pessoas atravessaram o Mar Mediterrâneo, muitas vezes em embarcações frágeis e em condições precárias, em troca de pagamento a redes de tráfico de seres humanos. Deste total, 124 mil desembarcaram na Grécia e cerca de 98 mil, em território italiano.

No mesmo período, mais de 2,1 mil pessoas perderam a vida no mar ou estão desaparecidas, acrescentou William Spindler.

O porta-voz do Acnur ressaltou que esse número não engloba as cerca de 200 pessoas que poderão ter morrido em naufrágio ocorrido nessa quarta-feira na costa da Líbia, durante a travessia do Mediterrâneo.

A embarcação de pesca, que segundo testemunhas transportava 600 pessoas, enviou um pedido de socorro, sinal que foi recebido pela Guarda Costeira de Catânia, na Sicília.

Dois navios – o holandês Dignity One e o irlandês Le Niamh – foram enviados de imediato para o local do naufrágio, mas a embarcação naufragou quando os passageiros se deslocaram todos para um lado para serem socorridos, informou ontem a Guarda Costeira italiana.

O navio irlandês Le Niamh chegou hoje à cidade italiana de Palermo com 367 sobreviventes a bordo, incluindo 12 mulheres e 13 crianças, bem como os corpos de 25 vítimas que foram recuperados do mar.

Segundo Spindler, a maioria das pessoas que atravessam o Mediterrâneo é formada por refugiados que fogem da guerra e da perseguição, e não migrantes econômicos. Ele destacou que a guerra civil síria é responsável por 38% das chegadas verificadas até julho.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Estudantes têm até às 23h59 deste domingo para se inscrever no Sisu
ÚLTIMA OPORTUNIDADE

Estudantes têm até às 23h59 deste domingo para se inscrever no Sisu

ENTREVISTA

'Recessão profunda torna retomada lenta', diz economista

MUDANÇAS

Senado manteve em 2019 veto à propaganda partidária na TV e rádio

IMPEACHMENT

Defesa de Trump diz que relação com Ucrânia era de interesse nacional

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião