Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Política

Lula e Dilma se reúnem em Brasília para definir nova estratégia para crise

15 AGO 15 - 09h:01FOLHAPRESS

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu um encontro particular com sua sucessora e afilhada política, Dilma Rousseff, para este sábado (15) em Brasília. Os dois tomaram café da manhã juntos para definir as próximas iniciativas do PT e do governo para superar a crise.

Desde a semana passada, Lula tem dito a aliados que preferia encontrar Dilma a sós, para uma conversa "sem testemunhas", o que dificultaria o vazamento de versões sobre o diálogo dos dois.

Para combater a baixíssima popularidade do governo -apenas 8% aprovam a gestão de Dilma, segundo a última pesquisa Datafolha-, o ex-presidente pediu que a petista mantenha a agenda de viagens pelo país, principalmente para as regiões do nordeste, reduto histórico de votos do PT, onde Dilma tem perdido apoio.

Nos últimos dias, a presidente fez um périplo de inaugurações e eventos com movimentos sociais, e passou por Roraima, Maranhão e Bahia. O giro pelo país é pouco comum em sua agenda oficial mas é estimulado por Lula, que defende que Dilma "saia do gabinete para não se tornar mais um elemento da crise".

O ex-presidente, que também vai viajar pelo Brasil para recuperar a sua imagem e a do PT, abaladas com as investigações da Operação Lava Jato, esteve duas vezes em Brasília esta semana, onde participou da abertura da Marcha das Margaridas e de um evento sobre educação promovido pelo PT.

Na avaliação de Lula, Dilma precisa se aproximar mais dos movimentos sociais e intensificar o diálogo com o Congresso para evitar o agravamento da crise. Ele reconhece que o afastamento do PT de suas bases foi um dos grandes erros dos governos petistas, acentuado agora, na gestão da sucessora.

O ex-presidente foi um dos principais entusiastas da aproximação entre o Planalto e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Nesta semana, o peemedebista apresentou um pacote de reformas para retomar o crescimento econômico que foi celebrado por Dilma como "a agenda positiva para o Brasil".

O governo avalia que o ambiente político melhorou após a aliança com o Senado mas, segundo a Folha apurou, Lula acredita que é hora de fazer novos movimentos.

A relação entre o ex-presidente e Dilma estava abalada nos últimos meses. Os dois tinham abandonado inclusive o hábito de conversar por telefone a cada dez ou quinze dias depois que Lula criticou publicamente a gestão da sucessora, chamando-a de "governo de mudos".

Nas últimas semanas, porém, ambos têm ensaiado uma reaproximação.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Câmara dos Deputados debate sobre reforma da previdência para iniciativa privada
DIVERGÊNCIAS

Câmara dos Deputados debate sobre reforma da previdência para iniciativa privada

Plenário terá oito MPs para <br> analisar na próxima semana
CÂMARA DOS DEPUTADOS

Plenário terá oito MPs para analisar na próxima semana

TRÂNSITO

Túnel acústico é reaberto parcialmente no Rio após desabamento

REELEIÇÃO

Bolsonaro parabeniza primeiro-ministro da Austrália por vitória

Mais Lidas