SÃO PAULO

Justiça manda pagar pensão mensal de R$ 100 mil à viúva de Gugu Liberato

Justiça manda pagar pensão mensal de R$ 100 mil à viúva de Gugu Liberato
24/01/2020 16:49 - ESTADÃO CONTEÚDO


A Justiça de São Paulo acolheu pedido de pensão à viúva do apresentador de TV Gugu Liberato, Rose Miriam di Matteo e fixou alimentos provisórios em seu favor, a serem pagos pelo espólio, no valor de R$ 100 mil por mês.

A decisão foi tomada pelo juiz da 9.ª Vara da Família e das Sucessões do Foro Central da Capital.

Gugu morreu no dia 22 de novembro do ano passado, vítima de um acidente doméstico, ao cair de uma altura de cerca de quatro metros na residência onde morava em Orlando, nos Estados Unidos. Ele caiu quando fazia um reparo no ar condicionado da casa. Deixou Rose e três filhos - João Augusto, de 18 anos, e as gêmeas Marina e Sophia, de 15.

Na decisão o juiz ressalta que o valor é equivalente ao que Gugu destinou para sustento da mãe dele, Maria do Céu. "Bem satisfaz, ao menos para este momento, a equação possibilidades do alimentante (espólio) e necessidades da alimentada", anotou o magistrado.

O pedido foi feito pelos advogados Nelson Wilians e João Vinícius Manssur, que representam Rose di Matteo.

"A decisão foi sensível ao momento que passa Rose Miriam di Matteo. Após a morte de Gugu, que era o mantenedor dela e dos filhos, ela ficou sem recursos até para manter as despesas de casa", afirma o advogado Nelson Wilians, em nota.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".