Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Inflação oficial

Inflação oficial fica em 0,16% na prévia da primeira quinzena de junho, diz IBGE

No ano, o indicador acumula alta de 1,62%

23 JUN 17 - 13h:11G1

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou 0,16% de inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), na prévia da primeira quinzena de junho. Foi a menor taxa para o mês desde 2006, quando ficou em -0,15%.

No ano, o indicador acumula alta de 1,62%. Já nos últimos 12 meses, a taxa chega a 3,52% - a menor para junho desde 2007, quando o acumulado em 12 meses ficou em 3,44%.

Segundo o IBGE, os grupos de alimentação e bebidas e transportes, responsáveis por quase metade das despesas dos brasileiros, foram os principais fatores que influenciaram o resultado de junho. Alimentação e bebidas tiveram queda de 0,47% enquanto transportes caiu 0,10%.

O impacto mais intenso foi do grupo de alimentos (-0,12 ponto percentual), que tem participação de 26% nas despesas das famílias. Já o grupo de transportes, que representa 18% das despesas, teve impacto negativo de -0,12 p.p.

O IBGE destacou também que a queda nos preços dos alimentos foi ainda mais intensa quando considerados os produtos comprados para consumo em casa, que chegaram a ficar 0,83% mais baratos.

Todas as regiões do país pesquisadas pelo instituto registraram queda no preço dos alimentos. A menor queda foi em Goiânia (-0,14%) e a maior na Região Metropolitana de Fortaleza (-1,92%).A maioria dos produtos alimentícios ficaram mais baratos de maio para junho. Segundo o IBGE, os principais destaques foram o tomate (-12,41%), as frutas (-7,20%), o óleo de soja (-3,85%), os pescados (-2,93%) e o arroz (-1,70%).

Já a alimentação fora de casa teve alta média de 0,19%. Algumas regiões tiveram queda, como a de Salvador (-0,94%). Já em Curitiba, por exemplo, a alta chegou a 1,08%.

Nos transportes, a queda de 0,10% foi influenciada pelos preços dos combustíveis, que caíram 0,66%, especialmente pelo etanol, que atingiu -2,05%, sendo que a gasolina ficou em -0,37%. Caíram, também, as tarifas dos ônibus interestaduais (-0,95%), enquanto as passagens aéreas aumentaram 6,83%.

Despesas mais altas

Segundo o IBGE, os gastos com habitação ficaram mais caros em junho (0,93% em média) por conta da energia elétrica que subiu, em média, 2,24%.

Embora no 1º dia do mês tenha ocorrido a substituição da bandeira tarifária da bandeira vermelha pela verde – que representa redução de R$3,00 a cada 100 kwh consumidos - já não foi aplicado sobre as contas o desconto determinado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em maio.

Também exerceu pressão sobre os gastos com habitação o aumento na taxa de água e esgoto (1,57%), condomínio (1,14%) e artigos de limpeza (0,84%).

Na taxa de água e esgoto, as pressões foram exercidas por Brasília (1,39%), com reajuste de 3,10% em primeiro de junho; pela região metropolitana de Salvador (5,00%), onde o reajuste foi de 8,80% em 06 de junho; e na região metropolitana de Curitiba (10,80%), cujo reajuste de 8,53% está vigente desde o dia 18 de maio. As regiões de Salvador e Curitiba refletiram, também, revisão na metodologia de cobrança nas contas.

Metodologia

Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE coletou informações dos preços no período de 16 de maio a 13 de junho de 2017. Os dados foram comparados com os levantados entre 13 de abril a 15 de maio de 2017. O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUNCIONÁRIOS E CLIENTES

Explosão em empresa de gás deixa quatro mortos em Boa Vista

ELIAS MALUCO

STF derruba liminar concedida a traficante que matou Tim Lopes

Pelo menos três sobreviventes estão sob escombros de prédio que ruiu em Fortaleza
BUSCAS CONTINUAM

Pelo menos três sobreviventes estão sob escombros de prédio que ruiu em Fortaleza

BRASIL

Hospitais brasileiros testam robô que usa inteligência artificial contra sepse

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião