Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Mercado financeiro

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo tem nova queda na projeção semanal

O mercado baixou sua previsão de 3,38% para 3,29%. Foi a sétima queda seguida do indicador.

17 JUL 17 - 08h:24G1

As projeções semanais dos economistas do mercado financeiro indicam nova queda no índice de inflação para os anos de 2017 e de 2018 e para a taxa básica de juros neste ano.

As expectativas foram coletadas pelo Banco Central na semana passada e fazem parte das informações do Bletim Focus. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas.
Para o comportamento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2017 – a "inflação oficial" do país –, o mercado baixou sua previsão de 3,38% para 3,29%. Foi a sétima queda seguida do indicador.

Com isso, manteve-se a expectativa de que a inflação deste ano ficará abaixo da meta central para o ano, que é de 4,5%. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e deve ser perseguida pelo Banco Central, que, para alcançá-la, eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

A meta central de inflação não é atingida no Brasil desde 2009. À época, o país ainda sentia os efeitos da crise financeira internacional de forma mais intensa.

Pelo sistema vigente no Brasil, a meta de inflação é considerada formalmente cumprida quando o IPCA fica dentro do intervalo de tolerância também fixado pelo CMN.

Para 2017, esse intervalo é de 1,5 ponto percentual para baixo ou para cima do centro da meta. Assim, o BC terá cumprido a meta se o IPCA terminar este ano entre 3% e 6%.

Para 2018, a previsão do mercado financeiro para a inflação caiu de 4,24% para 4,20% na sexta redução consecutiva. O índice segue abaixo da meta central (que também é de 4,5%) e do teto de 6% fixado para o período.

Taxa de juros

O mercado financeiro baixou sua previsão para a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 8,25% para 8% ao ano no fechamento de 2017.

Ou seja, os analistas passaram a estimar uma redução mais forte dos juros neste ano. Atualmente, a Selic está em 10,25% ao ano.

Para o fechamento de 2018, a estimativa dos economistas dos bancos para a taxa Selic permaneceu 8% ao ano. Com isso, estimaram que os juros ficarão estáveis no ano que vem.

A taxa básica de juros é o principal instrumento do BC para tentar conter pressões inflacionárias. A instituição tem de calibrar os juros para atingir índices pré-determinados pelo sistema de metas de inflação brasileiro.

As taxas mais altas tendem a reduzir o consumo e o crédito, o que pode contribuir para o controle dos preços. Entretanto, também prejudicam a economia e geram desemprego.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MALHA VIÁRIA

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
ATÉ AGOSTO

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

BRASIL

MP de diz perplexo com devolução de demarcação de terras indígenas à Agricultura

Mais Lidas