Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 18 de novembro de 2018

Confiança Empresarial

Índice de Confiança Empresarial cresce em maio e atinge maior nível desde 2014

A maior contribuição para a alta da confiança empresarial foi do Índice de Situação Atual, com alta de 1,1 ponto ante abril

31 MAI 2017Por Terra13h:25

Com 86,4 pontos, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) avançou 1,2 ponto em maio ante abril, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado representa o maior nível desde dezembro de 2014, quando estava em 87,7 pontos.

O ICE agrega os dados das sondagens da Indústria de Transformação, Serviços, Comércio e Construção. O novo indicador passa a ser divulgado a partir desta quarta, com periodicidade mensal.

O cálculo do Índice de Confiança Empresarial leva em conta os pesos proporcionais à participação na economia dos setores investigados, com base em informações extraídas das pesquisas estruturais anuais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a FGV, o objetivo é que o ICE permita uma avaliação mais consistente sobre o ritmo da atividade econômica.

Em maio, a maior contribuição para a alta da confiança empresarial foi do Índice de Situação Atual (ISA-E), com alta de 1,1 ponto ante abril, para 80,2 pontos. Já o Índice de Expectativas (IE-E) subiu 0,3 ponto, alcançando 95,0 pontos.

O distanciamento entre a percepção atual dos empresários e as expectativas é visto também nas quatro sondagens que compõem o resultado empresarial. A sondagem com a maior diferença entre expectativas e percepção atual é a da Construção, com 20,9 pontos de distância; seguida por Serviços, com 13,8 pontos; Comércio, 11,9 pontos; e Indústria, 6,7 pontos.

Entre os segmentos, a melhora da confiança empresarial ocorreu na Indústria e nos Serviços. No Comércio, houve queda de 0,5 ponto, após acumular um aumento de 10,2 pontos nos três meses anteriores.

Já a Construção permanece com resultado inferior, retratando ainda o clima de recessão, completou a FGV.
Entre os 49 subsetores pesquisados, houve alta da confiança em apenas 22 e queda em 26. A coleta do Índice de Confiança Empresarial reuniu informações de 4.932 empresas dos quatro setores, durante os dias 2 e 25 de maio.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também