Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

APÓS VISTORIA

Imasul recomenda aprimoramento de sistemas de segurança de mineradoras

Recomendações foram feitas durante encontro da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral

11 ABR 19 - 15h:01RENATA PRANDINI

O Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) fez uma série de recomendações à mineradoras que atuam no Estado. De acordo com o gerente de Fiscalização Ambiental do Imasul, Luiz Mario Ferreira, com base no relatório de vistorias feitas em janeiro e fevereiro deste ano, foram recomendados às duas mineradoras medidas como melhoria do sistema de alarmes e plano de fuga em caso de acidente. “Não são exigências porque o licenciamento para exploração de minério é feito pelo Ibama [Instituto Brasileiro de Meio Ambiente] no Estado”, explicou. Também foi recomendada a realização de estudos sismológicos para atestar a estabilidade do solo, falha apontada pela professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Sandra Garcia Gabas, geóloga e com mestrado em Engenharia de Minas e que integra a Câmara. 

As vistorias ocorreram após a tragédia de Brumadinho (MG), onde o rompimento de uma barragem Vale causou a morte de centenas de pessoas. Na época, o Imasul constatou a existências de sistemas de alarme e monitoramento, com ressalvas para a barragem Sul, da Vetorial, que apresentou infiltração.  A barragem Sul, informou, está praticamente cheia e só não elevou o talude – o que permitiria ampliar a capacidade – devido a essa infiltração, uma vez que já tinha autorização ambiental emitida pelo Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis). Entretanto, após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, a legislação mudou e está vedada a elevação de barragens pelo sistema a montante, o que obriga a mineradora a buscar novas soluções, segundo afirmou o empresário Rodrigo Xavier, que participou da reunião.

O resultado da vistoria foi apresentado ao setor durante a primeira reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral, nesta semana. A instituição, criada no ano passado, foi presidida pelo secretário Jaime Verruck, já que ainda não houve eleição para definir a presidência. O assunto em pauta foi a situação das barragens de mineração de Corumbá.

VISTORIAS

Segundo o chefe de Fiscalização da Gerência Regional da Agência Nacional de Mineração (ANM), Luís Cláudio de Souza, as fiscalizações são feitas semestralmente no Estado. Em novembro do ano passado, a equipe esteve em Corumbá. Uma nova fiscalização foi feita, porém, depois do acidente de Brumadinho.

Nesta semana, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ação civil pública para que a ANM e o governo federal sejam obrigados a inspecionar todas as barragens de mineração do país consideradas inseguras ou com segurança inconclusiva.  No começo do ano 56 barragens foram interditadas em todo o País, nenhuma delas em Mato Grosso do Sul. Minas Gerais concentra 51,5% das estruturas relativas à atividade minerária do Brasil. Das 425 barragens existentes no país, 219 ficam no estado.

Ainda de acordo com o pedido, a ANM e a União também devem apresentar no prazo de 180 dias um plano de reestruturação para melhorar a fiscalização das barragens. As certificadas como seguras, mas que estejam classificadas como Dano Potencial Associado (DPA) alto, também devem passar pela vistoria.

(Com informações da Semagro e agências)

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 12 milhões
SORTEIO

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 12 milhões

AÇÃO CIVIL PÚBLICA

AGU cobra gigantes do cigarro a ressarcirem gastos com tratamento no Brasil

DIA MUNDIAL

Campanha contra trabalho infantil começa hoje com twittaço

DECRETO

Ações da Taurus sobem com fila de mais de 2 mil pedidos de fuzis por civis

Mais Lidas