Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

RJ

Homens armados na mata assustam moradores na Zona Sul do Rio

20 OUT 2017Por G113h:45

Moradores da rua Pinheiro Guimarães, em Botafogo, Zona Sul do Rio, se dizem amedrontados. Segundo eles, poucos dias após a invasão da Rocinha, homens armados passaram a ocupar uma parte da mata que fica bem atrás da rua, em uma espécie de vigilância. Imagens exclusivas do G1 mostram dois homens armados circulando bem próximo aos prédios da Rua Pinheiro Guimarães, na tarde de quinta-feira (19).

Após a denúncia do G1, policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Tabajaras estiveram no local na manhã desta sexta (20). Segundo o comando da UPP, durante o patrulhamento os agentes foram atacados por criminosos na localidade conhecida como Cachoeira e houve confronto. Até o momento, não há informações sobre presos ou feridos. Por volta das 11h30, moradores da região disseram que ouviram disparos.

O local faz parte da área de proteção ambiental do Bairro Peixoto e dá acesso à Ladeira dos Tabajaras, favela que fica entre Copacabana e Botafogo. Moradores contaram que cerca de cinco homens se revezam em turnos e que a movimentação começa por volta das 9h.

Ainda de acordo com a UPP, o policiamento empregado naquela região é realizado a pé e operações são planejadas seguindo informações do Setor de Inteligência. A UPP solicita que denúncias sejam encaminhadas para o Disque-Denúncia (2253-1177) ou diretamente para a Unidade, no telefone 2332-1418."

O G1 entrou em contato com a Polícia Civil, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem. De acordo com os moradores, várias pessoas também ligaram para a polícia para fazer a denúncia.

"No final da vila que tem na Pinheiro Guimarães tem uma rocha e eles ficam ali em cima. Não fica muito longe dos Tabajaras. Está todo mundo com medo. Ninguém entende o motivo de eles ficarem ali armados, se entocando no meio do mato, porque eles não passam pela vila para descer e fazer assalto", disse um morador.

Segundo os relatos, os homens se comunicam por radiotransmissores e usam mantas para os momentos de descanso.

"Dá para escutar eles falando, você escuta o rádio. O meu vizinho não dorme mais no quarto dele, ele dorme agora no quarto do filho para ficar menos exposto", contou outro morador.

Outra moradora revelou que tem acompanhado, diariamente, a rotina do grupo. Muitas vezes, segundo ela, eles exibem e erguem as armas, sem se importar com a presença de pessoas nas varandas. Alguns proprietários de apartamentos já pensam em se mudar, com medo de possíveis tiroteios.

"Às vezes, escuto um tiro ou outro, mas não dá pra saber se vem daquele local, especificamente. Me chama a atenção também porque, às vezes, eles estão com um cachorro branco. Estamos esperando a polícia agir, mas não fazem nada", reclamou a moradora.

 

Leia Também