Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Amazonas

Homem matou filho de 1 mês e feriu ex por não aceitar separação, diz família

Suspeito usava drogas e era agressivo com a ex-mulher e filhos, diz avó de criança

15 JUL 17 - 18h:33G1

O suspeito de matar o próprio filho, um bebê de 40 dias, não aceitava a separação, afirmou a avó do pequeno Bryan, que não quis ser identificada. O crime ocorreu a noite de sexta-feira (14), na Zona Leste de Manaus. Segundo a família, antes de cometer o crime, o pai teria confessado para vizinhos que mataria a ex-mulher caso ela não reatasse o relacionamento. O homem também agrediu o filho de um ano e foi preso após ser espancado por populares.

"Ele é um monstro, que matou uma criança inocente, um bebê saudável", lamentou a avó.

Abalada, a avô contou que o casal estava junto há quase 3 anos, quando a filha dela resolveu encerrar a relação há cerca de 1 mês por não aguentar mais as ameaças do companheiro.

"Ela (mãe da criança) já tinha se separado dele há um mês, após ter o bebê. Ele foi embora para Maués, mas voltou há mais ou menos 3 dias para Manaus. Com certeza, voltou pensando nisso (em matar), pois falou para a vizinhança que ir matar a minha filha", disse ao G1.

A avó da vítima afirmou que o ex-genro tinha comportamento agressivo e costumava usar drogas. "Ele era sempre agressivo. Não respeitava a minha filha e nos desrespeitava também. Ele usava droga até com o filho no colo, que eu cheguei a ver. A minha filha, por teimosia, continuava com ele. Quando ela resolveu deixar, aconteceu isso", relatou.

Antes da separação, o casal morava no bairro Hileia, Zona Centro-Oeste de Manaus. Depois do fim do relacionamento, a jovem se mudou com as crianças para o bairro São José, na Zona Leste.

O crime ocorreu na casa da família, na Travessa Miracema, no bairro São José. À polícia, a família informou que o homem estava sob efeito de bebidas alcoólicas, que havia consumido ao longo de todo o dia. Os vizinhos disseram que mais cedo, no mesmo dia, a polícia já havia sido acionada por conta de brigas do casal.

"O bebezinho estava no colo. Ele saiu puxando ela (ex-mulher) pelo cabelo. Operada, ela não tinha força. E ele largou a faca, que pegou no peito do bebê e no pescoço. Nela, foi no ombro. E ele empurrou a outra criança. Eu nunca aceitei ele, desde a primeira vez que o vi", afirmou.

Moradores da localidade ouviram os gritos e acionaram a polícia. Segundo a 9ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), o suspeito foi espancado por populares após o crime. Após se rendido, ele foi preso e levado para a Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca).

Segundo a delegada Juliana Tuma, titular da unidade, o homem confessou o crime em depoimento à polícia. "Ele disse que queria matá-la porque ela era muito gaiata e ficava mandando ele sair de casa. A frieza dele é impressionante", contou.

O corpo do bebê ainda não foi liberado do Instituto Médico Legal (IML), na Zona Norte. A causa da morte atestada pelo IML foi anemia hemorrágica aguda, ferida perfuro cortante e ferimento causado por arma branca.

O velório deve ser realizado neste domingo (16).

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MALHA VIÁRIA

Governo quer conceder 16 mil km de rodovias à iniciativa privada

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
ATÉ AGOSTO

Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula

BRASIL

Ministério da Agricultura divulga registro de 42 agrotóxicos

BRASIL

MP de diz perplexo com devolução de demarcação de terras indígenas à Agricultura

Mais Lidas