SAÚDE

Governo tira poder dos conselhos e cria Cadastro Nacional de Especialistas

Ministério diz que cadastro vai facilitar aplicação de políticas públicas
06/08/2015 14:10 - ALINY MARY DIAS


Em decreto publicado ontem (5) no Diário Oficial da União (DOU), o Governo Federal criou o Cadastro Nacional de Especialistas, banco de dados que terá o objetivo, segundo o governo, de melhor distribuir e aplicar políticas públicas da saúde no país. Por outro lado, entidades questionam e afirmam que o decreto tira o poder dos conselhos regionais e da Associação Médica Brasileira (AMB).

A expectativa é de que a nova fonte de informação agilize o Governo a criar o Mais Especialidades, promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff e ainda pouco visível nas discussões com a comunidade médica.

Levantamentos do Ministério da Saúde já revelam que a oftalmologia e a ortopedia são as áreas que necessitam de tratamento prioritário. Cardiologia e a neurologia também são necessárias, considerando o envelhecimento da população.

Diferente de como avalia o governo, classe médica teria iniciado reação contra o decreto. Segundo relatos de conselheiros, as informações que antes eram repassadas ao Governo Federal por meio dos conselhos, agora será feita internamente, pelo Ministério da Saúde, situação que pode gerar desconfiança com relação a fidelidade dos dados.

Confira mais detalhes do decreto clicando neste link.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".