CONTAS PÚBLICAS

Governo quer vender imóveis públicos e arrecadar R$ 1,9 bi

O objetivo da iniciativa, segundo o governo, é obter uma economia com o aluguel de imóveis
27/08/2015 03:00 - FOLHAPRESS


O Ministério do Planejamento anunciou nesta quarta-feira (26) que o governo pretende vender centenas de imóveis da União em todo o país a partir deste ano. A estimativa é arrecadar um total de R$ 1,9 bilhão.

Parte desses recursos será aplicada na construção de novos prédios administrativos em Brasília, em um modelo de parceria com o setor privado. O objetivo da iniciativa, segundo o governo, é obter uma economia com o aluguel de imóveis.

Os planos incluem a construção de seis anexos para os ministérios localizados na Esplanada e uma nova sede da Receita Federal.

Ao detalhar o programa, o ministro Nelson Barbosa afirmou que as medidas se inserem no esforço de reestruturação fiscal e de aumento de produtividade do setor público.

Para este ano, o ministério já autorizou a venda de 20 imóveis em sete Estados. Os bens são avaliados em R$ 94,9 milhões.

No ano que vem, há previsão de venda de mais 119 imóveis e 30 terrenos, no valor de R$ 1,2 bilhão. O governo também dará início à alienação de 530 imóveis funcionais, com o que espera levantar mais R$ 598 milhões.

Questionado sobre a possibilidade de a União perder recursos ao vender imóveis em um momento de retração da atividade, Barbosa afirmou que o governo conta com a melhora do cenário econômico.

"Tenho certeza de que o mercado imobiliário vai estar em uma melhor situação porque a economia brasileira vai estar em uma melhor situação", afirmou.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".