Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

peixes afetados

Funai socorre indígenas afetados
por contaminação em rio

28 JUL 2017Por FOLHAPRESS22h:00

Equipes da Funai, do Ibama e do Ministério da Saúde estão em campo para socorrer com água e comida indígenas afetados por uma contaminação no rio Iriri que já matou "milhares" de peixes, segundo a Funai. O problema na água atinge duas terras indígenas localizadas entre o Mato Grosso e Pará.

Identificado há cerca de três dias, o problema afetou as terras indígenas Panará, onde vivem cerca de 540 índios panará, e Menkragnoti, com cerca de 1.200 índios kayapó. A consequência imediata para os índios foi a paralisação de pesca e caça na região, que é a base da subsistência das duas etnias.

Segundo a Funai, foram distribuídas 150 cestas básicas para os índios. A Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), vinculada ao Ministério da Saúde, se encarregou de levar água às aldeias, que são abastecidas apenas pelo Iriri.

O presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Franklimberg Ribeiro de Freitas, disse à reportagem nesta sexta-feira (28) que um laudo técnico preliminar sobre as causas da mortandade dos peixes, a cargo do Ibama, está em fase de conclusão, mas há indícios de que a contaminação está relacionada ao uso de agrotóxicos na atividade agrícola de propriedades rurais próximas das terras indígenas.

"Nós estamos constatando a presença de muitos peixes mortos no rio Iriri. A Funai, junto com outros órgãos públicos, está providenciando em situação de emergência água e alimentação para os indígenas, pois eles não podem mais pescar nem caçar", informou Freitas.

"Estamos recebendo informações de que aldeias mais ao norte também estão relatando a ocorrência de mortandade de peixes", disse o presidente.

Técnicos da Funai que acompanham a situação informaram que fiscais do Ibama disseram aos índios da região que a água do rio Iriri "ficou completamente imprópria para ingestão e também banho". Há orientação de que animais de criação também sejam impedidos de usar a água até que a origem do problema seja identificada.

O temor dos técnicos da Funai é que a contaminação chegue ao Parque Indígena do Xingu, onde vivem cerca de 4.000 indígenas de diferentes etnias, pois o rio Iriri deságua no rio Xingu.

O Iriri, com cerca de 900 km de extensão, é considerado o principal rio do município de Altamira (PA) e também atravessa áreas habitadas por grupos indígenas isolados, o que é outro foco de preocupação da Funai.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também