MUNDO

França anuncia criação de 12,5 mil<br> vagas de acolhida para refugiados

Segundo dados oficiais, no ano passado, a França recebeu 85 mil pedidos de asilo
12/07/2017 13:28 - G1


A França vai criar 12.500 novas vagas de acolhida para os requerentes de asilo e refugiados nos próximos dois anos, anunciou nesta quarta-feira (12) o primeiro-ministro Edouard Philippe, durante a apresentação de um plano para lidar com o fluxo maciço de imigrantes.

Em paralelo, o primeiro-ministro deixou claro que os imigrantes que não obtiveram o estatuto de refugiado serão expulsos "sistematicamente".

"Os imigrantes econômicos devem entender que não é possível receber a todos em nosso país", afirmou.
No total, o governo do presidente centrista Emmanuel Macron irá criar 4.000 vagas em 2018 para os requerentes de asilo e 3.500 em 2019, que vão se somar as 5.000 criadas no mesmo período para os refugiados.

"Nós não estamos à altura do que deve ser a França" em termos de acolhida de refugiados e requerentes de asilo, admitiu Philippe.

O objetivo, acrescentou, é "reduzir significativamente o tempo de tramitação" dos pedidos de asilo. Em 2016, o prazo era de 14 meses e o objetivo é diminuir para seis, conforme anunciado por Macron.

Segundo dados oficiais, no ano passado, a França recebeu 85 mil pedidos de asilo.

Com este plano, o governo francês também busca acabar com o ciclo de reassentamento sistemático dos acampamentos informais nas ruas de Paris. Na semana passada, 2.800 pessoas foram retiradas de um acampamento formado no norte da capital, mas nesta segunda-feira mais de 200 migrantes já haviam se restabelecido no local.
 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".